BLACK FRIDAY: ASSINE a partir de R$ 1 por semana
Continua após publicidade

Michel Temer, o conselheiro informal de Bolsonaro

Ex-pre­sidente é considerado peça fundamental para tentar consolidar o movimento que o governo iniciou em direção ao centro

Por Marcela Mattos Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 11 dez 2020, 09h01 - Publicado em 11 dez 2020, 06h00

Logo depois de deixar o Palácio do Planalto, Michel Temer costumava repetir que vivia uma “solidão saudável”. Ao que tudo indica, esse período de calmaria passou. Nos últimos meses, o ex-pre­sidente voltou a frequentar as rodas do poder, tem mantido encontros e jantares com políticos, é tratado por Bolsonaro como conselheiro informal e considerado peça fundamental para tentar consolidar o movimento que o governo iniciou em direção ao centro. Menos que uma sondagem e mais como um afago, Temer chegou a conversar com o almirante Flávio Rocha, secretário de Assuntos Estratégicos da Presidência, até sobre a possibilidade de assumir um ministério. A um amigo, o ex-presidente contou ter discutido com Rocha estratégias para tentar superar as divergências do Brasil com os Estados Unidos e a China. Ao contrário de Bolsonaro, Temer parabenizou pela vitória o democrata Joe Biden, com quem se reuniu algumas vezes enquanto era vice-presidente da República no governo Dilma. O emedebista também discorreu sobre as boas relações que construiu com Xi Jinping, o líder chinês.

A maior expertise de Michel Temer, porém, está em outra seara. Ex-presidente da Câmara ao longo de três mandatos, ele sempre foi elogiado pela habilidade na articulação política — o que lhe garantiu a chegada à Presidência da República, o apoio em massa de legendas que antes sustentavam o governo Dilma mesmo depois do impeachment, a aprovação de pautas de difícil consenso, como a reforma trabalhista e o teto de gastos, e a sua própria sobrevivência no cargo, ao driblar (por duas vezes) graves denúncias por corrupção. É com esse portfólio que ele tem defendido, em conversas, que Bolsonaro abandone o radicalismo e faça uma composição com diversos partidos, o que ele chama de criar um “centro expandido”. Parte dessa estratégia de aglutinação passaria pelo próprio partido de Temer, que tem Baleia Rossi entre os prováveis candidatos à Presidência da Câmara. Por enquanto, tal arranjo parece improvável. Mas não convém duvidar da capacidade de convencimento de um ex-presidente habilidoso como Temer.

Publicado em VEJA de 16 de dezembro de 2020, edição nº 2717

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A melhor notícia da Black Friday

Assine VEJA pelo melhor preço do ano!

BLACK
FRIDAY

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana

a partir de R$ 1,00/semana*
(Melhor oferta do ano!)

ou

BLACK
FRIDAY
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

a partir de R$ 29,90/mês
(Melhor oferta do ano!)

ou

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app. Acervos disponíveis a partir de dezembro de 2023.
*Pagamento único anual de R$52, equivalente a R$1 por semana.