Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Maia: Justiça do Trabalho ‘nem deveria existir’; juízes reagem

Em evento, parlamentar defendeu fortemente a mudança na legislação trabalhista e acusou os juízes da área de estarem tomando 'decisões irresponsáveis'

Por Da redação Atualizado em 9 mar 2017, 12h03 - Publicado em 9 mar 2017, 12h00

As declarações do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), de que a Justiça do Trabalho “não deveria nem existir” repercutiram entre juízes da área. Em evento na quarta-feira, o parlamentar defendeu fortemente a mudança na legislação trabalhista e acusou os juízes da área de estarem tomando “decisões irresponsáveis”. Na avaliação de Maia, o excesso de regras no mercado de trabalho provocou catorze milhões milhões de desempregados no Brasil.

Pelo menos três associações profissionais, a Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) – que representa mais de quatro mil juízes –, o Colégio de Presidentes e Corregedores de Tribunais Regionais do Trabalho (Coleprecor) e a Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 2ª Região (Amatra-2) publicaram notas contrárias à fala do presidente da Câmara. A Anamatra e o Coleprecor disseram que as declarações de Rodrigo Maia “ofendem os juízes do Trabalho que atuam em todo o Brasil”.

A nota conjunta dessas duas entidades diz que, “ao contrário do que afirma o parlamentar”, a Justiça do Trabalho tem “a importante missão de equilibrar as relações entre o capital e o trabalho”. O texto diz ainda que críticas para a melhora do exercício da profissão são aceitáveis, mas “não aquelas – aí sim irresponsáveis – com o único objetivo de denegrir um segmento específico do Poder Judiciário”.

A Amatra-2, que representa o maior Tribunal Regional do país na área, diz que Maia não pode transferir a responsabilidade pela crise econômica, “agravada pelo mau gerenciamento do dinheiro público”, para os ombros dos trabalhadores e do Poder Judiciário. Para a entidade, a existência de uma “justiça especializada” garante o julgamento por magistrados que estudam profundamente a legislação do trabalho, trazendo decisões mais justas e compatíveis com a especificidade das relações de trabalho.

A associação, que representa os juízes do trabalho no estado de São Paulo, apontou, ainda, a decisão do presidente da Câmara de colocar em votação projeto de 1998 que amplia as possibilidades de terceirização de funcionários. “A história mostrará quem são os irresponsáveis”, criticou a entidade. Segundo o texto da Anamatra e do Coleprecor, em 2015, 11,75% (4.980.359 processos) do total de novos processos ingressados no Poder Judiciário representaram as ações relativas ao pagamento de verbas rescisórias, “dado que revela o quanto a Justiça do Trabalho é imprescindível em um país desigual e injusto”.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)