Clique e assine a partir de 9,90/mês

Lula e Dilma foram ‘beneficiários políticos’ do petrolão, diz procurador

Ministério Público atribui papel relevante a Lula no aparelhamento da Petrobras

Por Da Redação - 4 mar 2016, 11h49

O procurador Carlos Fernando Lima, que integra a força-tarefa da Operação Lava Jato, disse nesta sexta-feira que, independentemente das investigações sobre vantagens que o ex-presidente Lula possa ter recebido durante e depois de deixar o Palácio do Planalto, não há dúvidas que tanto ele quanto sua sucessora, Dilma Rousseff, foram alvo de “benefício político” do esquema do petrolão. O Ministério Público atribui papel relevante a Lula no aparelhamento da Petrobras, esquema em que partidos políticos da base aliada eram beneficiados com propina distribuída a partir de empreiteiras.

“O benefício político recebido foi basicamente do ex-presidente e atualmente da atual presidente. Também houve vantagens indevidas pagas ao ex-presidente”, disse Lima. As vantagens recebidas por Lula na forma em reformas e imóveis de luxo como o tríplex 164-A do Condomínio Solaris, no Guarujá, e na compra do sítio em Atibaia. Embora em ambos os casos Lula não admita a titularidade dos imóveis, para o procurador as vantagens recebidas pelo petista são um “aspecto do crime de corrupção”, além de configurarem lavagem de dinheiro. “Não há nenhuma conclusão ainda, mas os indicativos eram suficientes para deflagrar a 24ª fase da Lava Jato. As investigações são no sentido de comprovar ou não a participação do ex-presidente nas decisões de beneficiar os partido político da base aliada”, relatou.

Nas medidas cumpridas nesta sexta-feira na fase batizada de Aletheia, não houve pedido de prisão de Lula nem da ex-primeira-dama Marisa Letícia. Mas a avaliação dos procuradores é a de que existem indícios de que “mesmo após o exercício da presidência, podem estar sendo pagas vantagens ao ex-presidente”. Fazendo coro ao teor do despacho assinado pelo juiz Sergio Moro, Carlos Fernando Lima destacou que “qualquer um no Brasil está sujeito a ser investigado quando houver indícios de crime”.

O representante da força-tarefa da Lava Jato rebateu ainda as críticas de que a Operação Lava Jato poderia estar sendo direcionada. O próprio Lula, em manifestação entregue ao Supremo Tribunal Federal (STF), havia classificado a atuação do MP como uma tentativa de “achincalhamento público”. Para Lima, porém, “não há nenhum maniqueísmo na atuação da Polícia Federal e do Ministério Público que não seja o ilegal versus o legal”.

Continua após a publicidade

“Neste momento prevaleceu a tese de que era e é necessário ouvi-lo [Lula]. O Ministério Público tem uma investigação e necessitava ouvir o ex-presidente. Não havia como não fazer a oitiva do ex-presidente”, disse.

Publicidade