Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Em liberdade, Fabrício Queiroz tenta nomear filha no governo do Rio

Nomeação de Nathália de Melo Queiroz está suspensa, por enquanto, após caso repercutir mal nos bastidores; Fabrício Queiroz foi visto no Palácio Guanabara

Por Cássio Bruno Atualizado em 20 abr 2021, 20h24 - Publicado em 20 abr 2021, 17h20

Após ganhar liberdade, o policial militar Fabrício Queiroz, ex-assessor do então deputado estadual Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), tentou nomear a filha mais velha, a personal trainer Nathália de Melo Queiroz, no governo do estado. Na última quarta-feira, Queiroz foi flagrado dentro de um carro no estacionamento do Palácio Guanabara, em Laranjeiras, Zona Sul da capital, como mostrou o portal UOL nesta terça-feira, 20. Ele ficou no local por cerca de duas horas. Segundo apurou VEJA, Nathália ocuparia um cargo de confiança na secretaria estadual da Casa Civil na gestão do governador em exercício Cláudio Castro (PSC), aliado do clã Bolsonaro. No entanto, a missão foi abortada, por enquanto, depois que o caso repercutiu mal nos bastidores.

“Foi um clima de terror. Todo mundo ficou em pânico quando viram o Queiroz”, revelou um dos integrantes do governo fluminense a VEJA. “Era só o que faltava ter a filha do Queiroz nomeada em meio à pré-campanha de reeleição”, afirmou outro funcionário. Não há registro de entrada de Fabrício Queiroz no Guanabara. A nomeação de Nathália Queiroz seria mais um gesto de aproximação de Cláudio Castro à família Bolsonaro de olho nas eleições. O governador em exercício é candidato novamente ao cargo e já declarou voto no presidente Jair Bolsonaro para 2022. No próximo dia 30, o Tribunal Especial Misto julgará o impeachment ou não do governador afastado Wilson Witzel, réu por corrupção e lavagem de dinheiro no Superior Tribunal de Justiça (STJ). Os Bolsonaro têm influenciado em várias indicações, principalmente na área de Segurança Pública. Flávio, por exemplo, é sempre consultado por Castro antes de fazer nomeações em postos-chave do governo.

No caso de Nathália, Fabrício Queiroz tem a ajuda de Luiz Carlos Chagas Souza Júnior, conhecido como Chagas Bola, candidato derrotado a vereador do Rio, em 2020, pelo PSL. É Bola quem articula a nomeação da personal trainer no governo Castro. Ele é policial militar e amigo do senador Flávio Bolsonaro.

Nathália Queiroz ficou conhecida por ser personal trainer de celebridades no Rio de Janeiro. Ela foi lotada por dois anos no gabinete do ex-deputado federal Jair Bolsonaro (sem partido), na Câmara dos Deputados, entre dezembro de 2016 e outubro de 2018. Em seu último mês de trabalho, recebeu salários de 10.000 reais. Antes de trabalhar com Bolsonaro, ela também passou pelo gabinete de Flávio. Neste período, Nathália transferiu cerca de 84.000 reais para Queiroz, apontado pelo Ministério Público como operador do esquema das “rachadinhas” na Alerj do hoje senador e filho mais velho do presidente. Sua conta no Instagram, em que parecia prestando serviços de personal, como os atores Bruno Gagliasso e Bruna Marquezine, foi apagada.

Fabrício Queiroz estava em prisão domiciliar. Em março passado, o STJ decidiu pela liberdade do ex-assessor e braço-direito de Flávio Bolsonaro e também de sua esposa, Márcia.

Queiroz tenta pela segunda vez emplacar uma de suas filhas. Segundo o jornal Folha de S.Paulo, a outra filha dele, Evelyn, foi nomeada pelo secretário da Casa Civil Nicola Miccione no dia 12 de abril. O ato foi tornado sem efeito por ele no dia 14. Ela receberia cerca de R$ 2.400 brutos no cargo de secretária 2. Em nota, o governo do Rio afirma que Evelyn não tomou posse do cargo. Segundo a Casa Civil estadual, a revogação do ato se deu “após ser identificada a vinculação de parentesco”.

VEJA tenta contato com o advogado Paulo Emílio Catta Preta, que representa Fabrício Queiroz, mas ainda não teve retorno. A reportagem não localizou Nathália de Melo Queiroz. Em nota, o governo do Rio afirmou apenas que “não há registro de entrada de Fabrício Queiroz” no Palácio Guanabara e que “o local é um complexo onde trabalham cerca de 1.800 pessoas”.

 

Continua após a publicidade
Publicidade