Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Dilma volta a criticar desmatamento, em referência indireta ao Código Florestal

Presidente criou nesta segunda-feira o Comitê Nacional de Organização da Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20)

Por Luciana Marques
7 jun 2011, 14h53

A presidente Dilma Rousseff aproveitou a cerimônia de assinatura do decreto para criação da Comissão Nacional e do Comitê Nacional de Organização da Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) para fazer mais um apelo indireto aos senadores sobre o projeto do Código Florestal. A comissão será co-presidida pelos ministros do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, e das Relações Exteriores, Antonio Patriota, e deverá discutir a participação do Brasil na Conferência da ONU sobre o tema.

A presidente disse, em discurso no Palácio do Planalto nesta terça-feira, que o país deve conviver com a produção de alimentos e a preservação do meio ambiente. “Não tergiversaremos na questão do desmatamento. Nós iremos cumprir os compromissos que assumimos e não permitiremos que haja volta atrás na roda da história”, afirmou.

No fim de maio, a Câmara dos Deputados contrariou o governo e aprovou uma emenda do PMDB que, entre outras alterações, permite que os governos estaduais legislem sobre a ocupação de Áreas de Preservação Permanente (APP). O governo era contra a aprovação do dispositivo – quer a prerrogativa de legislar sobre APPs para si -, mas foi derrotado pelos votos da oposição e da maior parte da base aliada.

Dilma também não aceita a anistia aos desmatadores, defendida pelos ruralistas. “Nenhuma esfera do governo pode abrir mão da sustentabilidade. A nação brasileira de forma alguma pode abrir mão da proteção de suas florestas e recursos naturais. E também não pode abrir mão do desenvolvimento econômico e inclusão da população nos frutos desse desenvolvimento”, defendeu.

Continua após a publicidade

A presidente Dilma já deu o recado ao Senado: vetará o texto do Código Florestal, se ele não estiver nos moldes exigidos pelo governo. Os senadores pediram a prorrogação do decreto que prevê crimes ambientais para terem mais tempo de discussão sobre o tema. O prazo do decreto termina no dia 11 de junho.

A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, também defendeu mudanças no texto aprovado pela Câmara. “O diálogo vai conseguir corrigir eventuais distorções no texto do Código”, disse.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.