Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Deputados rejeitam ‘plea bargain’ e Moro sofre mais uma derrota

O relator do projeto, Capitão Augusto (PL-SP), disse que há "má vontade" dos parlamentares na discussão do pacote proposto pelo ex-juiz

Por Eduardo Gonçalves Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
7 ago 2019, 09h38

O ministro da Justiça, Sergio Moro, sofreu mais uma derrota na tramitação do pacote anticrime na Câmara dos Deputados. O grupo de trabalho que analisa a proposta rejeitou, por 8 votos a 3, a possibilidade de réus que confessarem seus crime receberem em troca uma pena menor, o chamado “plea bargain”. Antes do recesso, os parlamentares já haviam recusados a aprovação da prisão após a segunda instância.

A proposta de Moro criava no Brasil um instrumento jurídico comum na justiça americana. A medida permitiria que o acusado se declarasse culpado de um crime e, deste modo, não precisaria se submeter a um processo. O  julgamento, então, iria para a fase final, na qual o juiz, em troca da confissão, aplica uma pena mais branda, conforme acordo entre as partes.

O acordo lembra um pouco a delação premiada, mas a grande diferença é que, na delação, o réu precisa identificar outros autores. Além disso, ele não abre mão do processo penal. No caso do plea bargain, vale apenas a confissão dos seus crimes e a ação é encerrada.

Ao negar a proposta, parte dos parlamentares afirmou que a medida desrespeitava o preceito constitucional da presunção de inocência, previsto na legislação atual. A proposta, contudo, pode voltar a ser apresentada em um projeto separado, de acordo com o relator do pacote, deputado Capitão Augusto (PL-SP).

Continua após a publicidade

O grupo de trabalho, contudo, aprovou a não persecução penal que permite o encerramento da ação caso o investigado tiver confessado. A proposta, no entanto, difere da de Moro, já que só serve para crimes não violentos, com pena máxima inferior a quatro anos de prisão.

A grande diferença entre o plea bargain e não percussão penal é que no caso da medida sugerida por Moro há a necessidade de oferecimento de denúncia pelo Ministério Público e não há limite de pena. Na proposta aprovada, que foi elaborada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes e incorporada por Moro no pacote anticrime, a punição é substituída ainda na fase de inquérito, sem abertura de ação.

Continua após a publicidade

O relator do projeto no grupo, deputado Capitão Augusto (PL-SP), afirmou há uma “má vontade” dos parlamentares com as medidas do ex-juiz da Lava Jato. A proposta deve ter alterações em pelo menos dez pontos.

Paralelamente à discussão na Câmara, o Senado também analisa o pacote apresentado por Moro. O texto que está sendo discutido na íntegra pelos deputado, entre os senadores foi dividido em três partes. Antes do recesso parlamentar, a Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou a criminalização do caixa dois.

(Com Estadão Conteúdo) 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.