Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Comissões sobre ditadura devem ampliar desgaste entre Lula e militares

Sob o guarda-chuva do ex-deputado Nilmário Miranda, ativista dos direitos humanos, estará a retomada de dois grupos que vão revirar os anos de chumbo

Por Diogo Magri
22 jan 2023, 08h00

A fogueira da desconfiança entre o governo Lula e os militares pode ganhar um novo — e explosivo — combustível. Há uma disposição evidente da nova gestão de se debruçar sobre dois pontos delicados envolvendo a ditadura: a busca por mortos e desaparecidos políticos e a reparação do Estado a pessoas perseguidas pelo regime autoritário. Uma das primeiras medidas do ministro dos Direitos Humanos e da Cidadania, Silvio Almeida, foi criar a Assessoria Especial de Defesa da Democracia, Memória e Verdade e entregá-la ao ex-deputado Nilmário Miranda, um ativista dos direitos humanos. Sob seu guarda-chuva estará a retomada de duas comissões que vão revirar os anos de chumbo.

Uma delas é a Comissão da Anistia, que já foi reformulada nesta semana, com uma mudança emblemática: uma portaria substituiu os militares do colegiado por perseguidos políticos. Durante o governo Jair Bolsonaro, o grupo não deixou de atuar, mas indeferiu 95% dos mais de 4 200 pedidos de reparação feitos entre 2019 e 2022 — entre eles o da ex-presidente Dilma Rousseff, que foi presa e torturada na ditadura. Além de analisar cerca de 12 000 solicitações que estão na fila, a comissão deve reavaliar casos negados na gestão anterior.

Já a Comissão de Mortos e Desaparecidos será retomada após ter sido enterrada em dezembro, quando integrantes nomeados por Bolsonaro aprovaram a sua extinção. A ideia do novo governo é dotá-la de condições para dar andamento a trabalhos de buscas como os feitos em Perus (SP) e na região do Araguaia. Desde que foi criada, em 1995, ela encontrou seis desaparecidos, o último em dezembro de 2018. Bolsonaro chegou a publicar um decreto em 2019 paralisando a atividade do grupo que analisa as ossadas retiradas de uma vala clandestina em São Paulo. Segundo a Comissão Nacional da Verdade, extinta em 2014, há 210 desaparecidos políticos no país. “O segredo mais bem protegido da ditadura é o que fizeram com os restos mortais das vítimas. Há casos que sabemos que são impossíveis, mas o estado tem de chegar a essa conclusão: procurou e não foi possível achar. Isso nós vamos fazer”, promete Miranda.

Publicado em VEJA de 25 de janeiro de 2023, edição nº 2825

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.