Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Eleições 2012: Com presença de Temer, PMDB oficializa apoio a Haddad

Vice-presidente negou barganha de cargos para selar a aliança em São Paulo

Esta reportagem, publicada em 11 de outubro de 2012, foi atualizada em 24 de agosto de 2018 para a inclusão no título da expressão “Eleições 2012” – e, novamente, no dia 4 de outubro para que fosse incluída esta mensagem   

O PMDB do candidato derrotado Gabriel Chalita finalmente oficializou, nesta quinta-feira, o apoio ao petista Fernando Haddad, que disputa o segundo turno das eleições em São Paulo contra o tucano José Serra. O vice-presidente da República, Michel Temer, presidente licenciado do PMDB, compareceu à reunião do partido na capital paulista por volta das 13 horas, onde abriu o pronunciamento ao lado de Chalita e Haddad.

Leia também:

PRB e Russomanno ficam neutros no 2º turno

Datafolha: Haddad tem 47%, e Serra, 37%

“Nós acabamos de fazer um grande acordo entre o PMDB e os partidos que o apoiaram com o candidato Fernando Haddad”, disse o vice-presidente. Temer negou, entretanto, que tenha existido barganha de cargos para selar a aliança, quando questionado sobre uma possível ida de Chalita para um ministério do governo Dilma Rousseff. “Isso é uma maldade. O acordo foi feito em torno de alinhamento de campanha”, afirmou.

Seguindo Michel Temer, Chalita, que ficou em quarto lugar com 13,6% dos votos válidos, defendeu que o acordo foi assinado em “torno de ideias”. “Houve uma reunião e refletimos muito sobre o que é melhor para São Paulo. E a candidatura de Haddad representa o que há de melhor para a cidade”, disse o vice-presidente.

No anúncio, o candidato petista fez uma clara menção ao concorrente no segundo turno, José Serra (PSDB), cuja campanha pretende levantar um “debate ético”, explorando o julgamento do mensalão. “Ameaças pelos jornais não são apropriadas a uma campanha democrática”, afirmou. Já no primeiro turno, a campanha de Serra relacionou a figura de Haddad aos réus José Dirceu, José Genoino e Delúbio Soares, condenados esta semana por corrupção.

O petista disse ainda que quer “replicar” em São Paulo a aliança feita no plano federal entre a presidente Dilma Rousseff e Temer.

Acordos – Michel Temer afirmou que apesar do progresso nas negociações, ainda não foi resolvido o impasse sobre a aliança com PT em Natal (RN). O PT da capital do Rio Grande do Norte, derrotado no primeiro turno com Fernando Mineiro, resiste em apoiar o peemedebista Hermano Moraes no segundo turno – prefere Carlos Eduardo, do PDT. Tanto PMDB como o PDT fazem parte da base de apoio do governo federal.

Ainda nessa quinta-feira, a cúpula do PMDB se reúne em São Paulo com Rui Falcão, presidente nacional do PT, para selar um acordo definitivo com relação à aliança em Natal.