Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Com Guedes enfraquecido, governistas defendem até congelamento de preço

Para dar fôlego à popularidade do presidente, aliados de Bolsonaro também querem um novo reajuste do valor do Auxílio Brasil

Por Letícia Casado Atualizado em 18 jan 2022, 17h07 - Publicado em 18 jan 2022, 16h56

Mesmo antes de aderir oficialmente ao governo de Jair Bolsonaro (PL), o Centrão impõe derrotas a Paulo Guedes, o outrora superministro da Economia. Uma das primeiras delas foi na definição do valor inicial do auxílio emergencial. A equipe econômica sugeriu 200 reais, mas os parlamentares, com a ajuda da oposição, aumentaram para 600 reais, o que contribuiu para que a gestão Bolsonaro fosse considerada ótima ou boa, em dezembro de 2020, por 35% dos entrevistados, segundo pesquisa Ibope divulgada naquela ocasião.

O mais recente revés de Guedes ocorreu no início deste ano, quando o presidente da República determinou que mudanças na execução do Orçamento, como remanejamento ou congelamento de recursos, tenham de ser chancelados previamente pelo ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira, mandachuva do PP e prócer do Centrão. A ideia é impedir que Guedes segure a liberação, por exemplo, de emendas parlamentares, que são usadas para custear obras nos redutos eleitorais e consideradas essenciais para dar fôlego à imagem do governo.

Fortalecidos, os políticos do Centrão passaram a defender medidas que afrontam a cartilha liberal — e a promessa de Guedes de zelar pelas contas públicas — como forma de impulsionar a avaliação positiva de Bolsonaro. Preocupados com a inflação, aliados do presidente sugeriram nos bastidores, entre outras coisas, congelamento do preço dos combustíveis e da carne e um reajuste do valor do recém-implantado Auxílio Brasil, programa que substituiu o Bolsa Família, de 400 reais, na média, para 600 reais.

Essa ofensiva está diretamente relacionada ao desempenho do governo nas pesquisas. A gestão Bolsonaro é reprovada pela metade da população. Já o presidente está em segundo lugar nas pesquisas e seria derrotado por Lula em eventual segundo turno. Oficialmente, o governo não cogita nem o congelamento de preços nem o reajuste do Auxílio Brasil.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês