Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

‘Carlos Bolsonaro tentou montar uma Abin paralela’, diz Joice Hasselmann

O objetivo do Zero Dois era monitorar inimigos, mas a tentativa provocou reação de ministros que discordaram da proposta

Por Roberta Paduan Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 4 dez 2019, 18h33 - Publicado em 4 dez 2019, 16h10

A deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) afirmou, em seu depoimento na CPI das Fake News, que o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ) tentou montar uma “‘Abin’ paralela” no governo. Joice referia-se à Agência Brasileira de Inteligência, órgão de Estado que tem a função de monitorar e investigar possíveis ameaças à segurança nacional.

Um servidor do Palácio do Planalto confirmou a Veja que o plano de Carlos Bolsonaro chegou a circular pelos gabinetes dos principais auxiliares do presidente. “A ideia dele era basicamente grampear telefones, monitorar inimigos, fazer dossiês. A interceptação telefônica é a forma mais burra de inteligência, aliás, nem ele nem o Carlos, nem o presidente conhecem nada de inteligência”, afirmou o servidor, que é militar. “Pessoas imaturas costumam querer saber o que o inimigo está falando, o que está planejando. E, quando essas pessoas têm poder, ou pensem que têm, vão atrás desses meios que a democracia não tolera”, completou.

De acordo com a deputada, a informação lhe passada, sem pedido de sigilo, pelo ex-ministro Gustavo Bebianno, que comandou a Secretaria-Geral do governo até fevereiro e foi figura-chave na campanha presidencial de Jair Bolsonaro.

Segundo Joice, a tentativa de Carlos montar uma espécie de serviço secreto paralelo provocou uma crise entre o filho Zero Dois do presidente da República e membros do Palácio do Planalto, que discordaram da proposta, entre eles, Bebianno, atualmente filiado ao PSDB.

Continua após a publicidade

No início de seu depoimento, a deputada afirmou que existe um esquema de “organização criminosa” organizado na internet a favor do presidente Jair Bolsonaro desde o início da sua campanha. “Há, infelizmente, dinheiro público por trás dos ataques virtuais [da direita]”, afirmou a parlamentar durante a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito das fake news, nesta quarta-feira, 4.

Joice foi líder do governo no Congresso até o dia 17 do mês passado, quando virou alvo de ataques bolsonaristas pelas redes sociais. A deputa diz que ela não quer “arranhar a imagem” da presidência com as revelações. “Eu ajudei a eleger esse presidente. Quero crer que ele não sabe disso”, ressaltou. Joice era do mesmo partido de Bolsonaro.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.