Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Após cirurgia, Bolsonaro está na UTI ‘estável e sem dor’, diz hospital

De acordo com boletim médico, cirurgia de reconstrução do trânsito intestinal durou cerca de sete horas

Por Redação
Atualizado em 28 jan 2019, 21h33 - Publicado em 28 jan 2019, 17h31

O Hospital Albert Einstein, em São Paulo, divulgou por volta das 17h desta segunda-feira, 28, um boletim médico em que informa sobre a conclusão da cirurgia de reconstrução do trânsito intestinal do presidente Jair Bolsonaro (PSL). Segundo o hospital, a operação durou sete horas e “ocorreu sem intercorrências e sem necessidade de transfusão de sangue”. Mais cedo, o Palácio do Planalto informou que a cirurgia havia durado cerca de nove horas, entre as 6h30 e as 16h.

Assinado pelos médicos Antônio Luiz Macedo, cirurgião, Leandro Echenique, clínico e cardiologista, e Miguel Cendoroglo, diretor superintendente do hospital, o boletim informa que, “no momento, o paciente encontra-se na Unidade de Terapia Intensiva, clinicamente estável, consciente, sem dor, recebendo medidas de suporte clínico, prevenção de infecção e de trombose venosa profunda”.

Na cirurgia foi retirada a bolsa de colostomia que Jair Bolsonaro carregava desde setembro, quando ele foi operado duas vezes após ser esfaqueado durante um ato de campanha em Juiz de Fora (MG).

Veja abaixo a íntegra do boletim do Hospital Albert Einstein:

Continua após a publicidade

O excelentíssimo Presidente da República, Jair Bolsonaro, foi submetido, nesta manhã, à cirurgia de reconstrução do trânsito intestinal e extensa lise de aderências decorrentes das duas cirurgias anteriores. Foi realizada anastomose do íleo com o cólon transverso, que é a união do intestino delgado com o intestino grosso. O procedimento teve duração de 7 horas, ocorreu sem intercorrências e sem necessidade de transfusão de sangue. No momento, o paciente encontrase, na Unidade de Terapia Intensiva, clinicamente estável, consciente, sem dor, recebendo medidas de suporte clínico, prevenção de infecção e de trombose venosa profunda.

Dr. Antônio Luiz Macedo, cirurgião
Dr. Leandro Echenique, clínico e cardiologista
Dr. Miguel Cendoroglo, Diretor Superintendente do Hospital Israelita Albert Einstein

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.