Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
CLIQUE E RECEBA A REVISTA EM CASA A PARTIR DE R$14,90/MÊS Clique e receba em casa a partir de R$ 14,90

Zenit exige retorno de Malcom e Claudinho e Tite perde mais dois jogadores

Seleção brasileira chegou a 12 desfalques para as partidas contra Chile, Argentina e Peru pelas Eliminatórias da Copa de 2022

Por Da Redação Atualizado em 1 set 2021, 17h29 - Publicado em 1 set 2021, 17h07

Os problemas do técnico Tite para a rodada tripla das Eliminatórias da Copa de 2022 não cessam. Na tarde desta quarta-feira, 1º, a Confederação Brasileira de Futebol informou que Malcom e Claudinho foram obrigados pelo Zenit a retornar imediatamente a São Petersburgo, na Rússia, e por isso não viajarão com a delegação da seleção brasileira para Santiago, onde a equipe encara o Chile na próxima quinta, 2.

Em nota, a CBF expôs descontentamento. “A CBF, respaldada pelas regras da Fifa, conversou com os jogadores e explicou que eles não poderiam sofrer nenhuma das sanções ameaçadas pela equipe. Ainda assim, após algumas conversas com o coordenador da seleção, Juninho Paulista, e o técnico Tite, eles decidiram pelo retorno”, diz um trecho.

“A CBF manifesta sua discordância com os movimentos do Zenit e encaminhou reclamação formal à Fifa, anexando os documentos enviados pelo clube russo à entidade e aos atletas. A CBF apelará à entidade que rege o futebol mundial para que, em linha com seus regulamentos, todas as punições cabíveis ao Zenit sejam cumpridas.”

  • Com isso, os desfalques do Brasil para as partidas contra Chile, Argentina e Peru chegaram a 12. Além da dupla do futebol russo, foram proibidos de viajar em razão dos protocolos de combate à Covid-19 os nove atletas que atuam na Premier League (Alisson, Fabinho, Roberto Firmino, Fred, Gabriel Jesus, Ederson, Thiago Silva, Raphinha e Richarlison), além de Matheus Nunes, do Sporting de Lisboa

    Eles foram substituídos pelos goleiros Everson (Atlético-MG) e Santos (Athletico), os meias Edenílson (Inter) e Gerson (Olympique de Marselha) e os atacantes Malcom (Zenit), Vinicius Junior (Real Madrid) e Hulk (Atlético-MG). Ao contrário do Brasil, a Argentina obteve a liberação de seus atletas juntos aos clubes da Premier League, sob a condição de que os convocados só poderão jogar as duas primeiras das três partidas.

    A recusa se dá pelo fato de os países sul-americanos integrarem a chamada “lista vermelha” da Covid-19. De acordo com as regras impostas pelo governo britânico, caso um dos atletas saia, mesmo já imunizado, só poderá ter sua entrada permitida se sua cidadania for britânica ou irlandesa, ou tiver direitos de residência. Além disso, precisaria apresentar exame negativo para Covid-19 e cumprir quarentena obrigatória de dez dias após o retorno, com exames a serem feitos posteriormente, o que prejudicaria a sequência do Campeonato Inglês.

    Líder das Eliminatórias, a seleção brasileira enfrenta o Chile na próxima quinta-feira, 2, em Santiago, a Argentina no domingo, 5, em São Paulo, e o Peru, dia 9, em Pernambuco.

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade