Clique e assine a partir de 8,90/mês

Prefeitura do Rio anuncia futebol com torcida a partir de 4 de outubro

Primeira partida acontece no Maracanã com capacidade reduzida; jogo entre Flamengo e Athletico-PR, pelo Campeonato Brasileiro, está programado para a data

Por Da Redação - Atualizado em 21 set 2020, 15h21 - Publicado em 18 set 2020, 23h31

A Prefeitura do Rio de Janeiro anunciou nesta sexta-feira, 18, que os estádios de futebol da cidade poderão voltar a receber torcedores em jogos a partir do dia 4 de outubro.

Em nota, a autoridade municipal informou que “a primeira partida com público será no estádio do Maracanã”. Há um jogo programado para o dia 4 de outubro nesta instalação esportiva, Flamengo e Athletico-PR, válido pela 13ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Além disso, a Prefeitura do Rio informou que, como forma de evitar a transmissão do novo coronavírus, serão adotadas algumas medidas. A primeira é que este primeiro jogo será com o estádio tendo a capacidade limitada a um terço de seu total. Também “será obrigatório o uso da máscara de proteção e aferição de temperatura na entrada”. Por fim, “para evitar aglomerações, a venda dos ingressos será pela internet”.

Na semana que vem, clubes e Ferj farão uma nova reunião com entidades públicas para que a pauta possa ser alinhada. O novo cenário deve entrar em vigor a partir da confecção de um novo protocolo. O encontro reuniu representantes da Prefeitura do Rio, do governo do Estado, do governo federal (Secretaria Nacional de Futebol), clubes, além de outros órgãos envolvidos na operação.

O Maracanã, que seria uma espécie de “estádio-piloto” para a implementação das novas regras no futebol brasileiro, foi representado pelo CEO Severiano Braga, interlocutor da dupla Fla-Flu.

Há, no entanto, a necessidade de uma costura com CBF para que o Rio de Janeiro largue na dianteira. Internamente, a entidade convive com a pressão contrária de alguns filiados para que a volta seja uniforme, visto que há quem aponte vantagem esportiva.

Continua após a publicidade

Por exemplo, o presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, se posicionou contrário a medida. Em suas redes sociais, o dirigente afirmou que só aceitará a retomada se todos os clubes da Série A do Campeonato Brasileiro tiverem o mesmo direito. Caso contrário, o time paulista não entrará em campo.

Com Agência Brasil

UOL Esporte Clube | Assine e acompanhe transmissões de grandes jogos e programas esportivos de onde você estiver.

Continua após a publicidade
Publicidade