Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Paquetá elogia seu técnico, Gattuso: ‘Jogava com ele no PlayStation’

O meia de 21 anos foi apresentado pelo Milan nesta terça-feira. Ele espera repetir as façanhas do ídolo Kaká no futebol italiano

Lucas Paquetá foi apresentado pelo Milan nesta terça-feira, 8, em Milão. O meia de 21 anos aproveitou a ocasião para elogiar o técnico Gennaro Gattuso, ídolo do clube italiano pelo qual conquistou um título mundial, duas Ligas dos Campeões e duas ligas nacionais, quando atuava como volante.

“Gattuso foi um grande jogador. Ser treinado por ele será algo único, eu sempre jogava com ele no PlayStation. Ele me recepcionou muito bem e me deixou muito calmo para trabalhar e crescer. Agora, espero que possa lhe dar muita alegria em campo”, disse o brasileiro, em entrevista coletiva.

O jogador formado no Flamengo é uma das principais apostas do time italiano e para ter sucesso no clube, quer seguir os passos de outro brasileiro. “Kaká foi um campeão, é meu ídolo. Ele teve sua história e foi um dos melhores jogadores do mundo. Eu espero poder tomar o caminho das vitórias também, vencendo tantos troféus quanto ele. O Kaká me falou sobre o clube e a cidade, disse que o Milan é uma família e que será uma das melhores experiências da minha carreira”, declarou.

Lucas Paquetá durante primeiros treinos com a camisa do Milan (AC Milan/Facebook)

Kaká saiu da base do São Paulo em 2001 e logo ganhou destaque na equipe principal, sendo negociado com o Milan em 2003. No clube milanês, ele venceu um título mundial, uma Liga dos Campeões, um título do Italiano e foi eleito o melhor jogador do mundo em 2007.

Assim como Kaká, Paquetá passou menos de três anos no time profissional do Flamengo, chegando ao seu melhor momento na última edição do Brasileirão, que culminou em sua chegada à seleção brasileira e a transferência milionária ao Milan, que desembolsou 35 milhões de euros (cerca 150 milhões de reais, na cotação da época) para contratá-lo.

Apesar da rápida ascensão, o jogador de 21 anos admitiu que deve sofrer para se adaptar no início da temporada, pela diferença entre o futebol italiano e o brasileiro. “Assisti a muitos jogos do Italiano, é muito físico, muito tático. No Brasil, é um pouco diferente. Vou tentar me adaptar o mais rápido possível e prestar atenção nos detalhes. Preciso me acostumar rapidamente. Quando se usa a camisa do Milan, é preciso estar pronto para qualquer situação”, finalizou.

(Com Estadão Conteúdo)