Clique e assine com 88% de desconto

O ‘mea-culpa’ (publicitário) de Neymar: ‘Eu não caí, desmoronei’

Em comercial de um de seus patrocinadores, atacante explicou por que não deu entrevistas após decepção na Rússia e admitiu exagero nas quedas

Por Da redação - Atualizado em 30 jul 2018, 14h05 - Publicado em 30 jul 2018, 08h15

Três semanas depois da eliminação da seleção brasileira na Copa do Mundo, Neymar recorreu a um de seus patrocinadores para rebater as críticas que recebeu após o fracasso na Rússia. Por meio de uma peça publicitária, o atacante admitiu que exagerou nas demonstrações de dor diante das faltas sofridas no Mundial. E, num misto de desabafo e autocrítica, disse ter, aos 26 anos, atitudes de “menino”.

“Trava de chuteira na panturrilha, joelhada na coluna, pisão no pé. Você pode achar que eu exagero, e às vezes eu exagero mesmo. Mas a real é que eu sofro dentro de campo. Agora, na boa, você não imagina o que eu passo fora dele”, declarou o atacante, em propaganda da Gillette.

No depoimento de 1min30s de duração, ilustrado com imagens da Copa do Mundo, Neymar se defendeu das críticas que sofreu por deixar o Mundial sem dar entrevistas. E negou ser um “moleque mimado”.

“Quando eu saio sem dar entrevista, não é porque eu só quero os louros da vitória, mas porque eu ainda não aprendi a te decepcionar. Quando eu pareço malcriado, não é porque eu sou um moleque mimado, mas é porque eu ainda não aprendi a me frustrar. Dentro de mim ainda existe um menino. Às vezes ele encanta o mundo, e às vezes ele irrita todo mundo.”

Publicidade

O jogador reiterou que ficou abatido com a eliminação da seleção brasileira nas quartas de final, diante da Bélgica. “E minha luta é para manter esse menino vivo, mas dentro de mim, e não dentro de campo. Você pode achar que eu caí demais, mas a verdade é que eu não caí. Eu desmoronei”, desabafou.

Por fim, pediu ajuda aos brasileiros para se levantar. “Isso dói muito mais do que qualquer pisão ou tornozelo operado. Eu demorei para aceitar as suas críticas, eu demorei para me olhar no espelho e me transformar em um novo homem, mas hoje eu estou aqui, de cara limpa e de peito aberto. Eu caí, mas só quem cai pode se levantar. Você pode continuar jogando pedra, ou pode jogar essas pedras fora e me ajudar a ficar de pé. E quando eu fico de pé, ‘parça’, o Brasil inteiro levanta comigo”, finalizou.

Publicidade