Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

No duelo de gerações com Guerrero, venceu o menino Mbappé

Mais jovem francês a fazer gol em Copas, atacante do PSG garantiu vitória da França sobre o Peru

Por Fernando Beagá Atualizado em 21 jun 2018, 14h23 - Publicado em 21 jun 2018, 14h08

De um lado, Paolo Guerrero, vivendo o sonho de disputar uma Copa do Mundo aos 34 anos de idade. Do outro, Mbappé, 19, o mais jovem atleta a vestir a camisa da França em Mundiais — consequentemente, o mais precoce goleador, depois de garantir a vitória gaulesa por 1 a 0, no fechamento da segunda rodada do Grupo C. Mas o triunfo do jovem nesse duelo de gerações não é uma questão de fôlego — o veterano Cristiano Ronaldo, 33 anos, está voando na Rússia. Foi a ousadia do camisa 10 francês que avultou no gramado de Ecaterimburgo.

Ao mudar escalação em relação à estreia contra a Austrália (Matuidi e Giroud nos lugares de Tolisso e Dembélé), o técnico Didier Deschamps elevou a média de idade do time titular de 24,5 para 25,8 anos. Mas o protagonista foi seu jovem atacante. Mbappé fez molecagens durante o primeiro tempo. Não deu sossego ao lateral flamenguista Trauco, desconcertado num ‘drible da vaca’, e tentou um gol de calcanhar aos 29 minutos, que atrevimento. Cinco minutos depois, venceu Trauco na corrida para, sozinho, completar para as redes. Dividiu a pequena área apenas com uma sugestiva bexiga branca que há de enfeitar sua festa de 20 anos no dia 12 de dezembro — quando a França conquistou a Copa de 1998, ele ainda não havia nascido. Na comemoração, os braços cruzados, a marra e um golpe de ombros, aparentemente respondendo à chuva de críticas da imprensa francesa após a sofrida vitória da estreia.

Veja como está a tabela da Copa e simule os próximos resultados

Enquanto isso, Guerrero era vigiado de perto pela jovem dupla de zaga francesa. Irritado, deixou sobrar o braço no rosto de Umtiti e recebeu cartão amarelo. A advertência esfriou a combatividade do veterano, que chutou apenas duas vezes a gol, ambas defendidas pelo goleiro Lloris — celebrando cem partidas pela seleção francesa.

Aos 29 minutos do segundo tempo, para manter a intensidade, Deschamps trocou Mbappé por Dembélé. O camisa 10 fez a última traquinagem, ao sair bem devagar, valorizando cada segundo da vantagem francesa. Birra por ser substituído? Nada. Menino educado, cumprimentou o colega, abraçou o professor e foi se juntar à turma do fundão. Já havia se divertido bastante.

Próximos jogos

A classificada França decide a liderança do Grupo C contra a Dinamarca na terça-feira, 26 de junho, às 11h. No mesmo dia e horário, a Austrália tenta vaga (e torce contra os dinamarqueses) contra o eliminado Peru.

Continua após a publicidade

Ponto alto

Pogba estava invocado, após ser o mais cobrado por uma boa atuação. “Sou o jogador mais criticado do mundo”, reclamou na véspera. Sua atuação — incluindo a jogada que originou o gol de Mbappé — merece torná-lo, agora, o mais elogiado.

Ponto baixo

O lado esquerdo da defesa peruana foi a Champs-Élysées do ataque francês. Não somente pela atuação de Trauco, mas também pela falha na cobertura dos volantes Aquino e Yotún.

Ficha do jogo
França 1 x 0 Peru
Local: Arena Ecaterimburgo. Árbitro: Mohammed Abdulla (EAU). Público: 32.789. Gol: Mbappé, aos 33 do primeiro tempo.
França: Lloris; Pavard, Varane, Umtiti e Hernández; Kanté e Pogba (N’Zonzi); Mbappé (Dembélé), Griezmann (Fekir) e Matuidi; Giroud. Técnico: Didier Deschamps.
Peru: Gallese; Advincula, Rodríguez (Santamaría), Ramos e Trauco; Aquino e Yoún (Farfán); Carrillo, Cueva e Flores; Guerrero. Técnico: Ricardo Gareca.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade