Clique e assine a partir de 9,90/mês

Índice PLACAR/Itaú BBA: o líder Flamengo, o melhor modelo do Brasil

As razões que explicam por que o clube é o primeiro colocado do ranking de gestão nos últimos três anos

Por Alexandre Senechal - Atualizado em 3 jul 2020, 14h37 - Publicado em 26 jun 2020, 09h39

A máxima dos últimos anos diz que o Flamengo é o melhor clube do Brasil em termos financeiros. Os números mostram que isso não é exagero do torcedor. O trabalho de austeridade iniciado em 2013 deu resultados e faz com que o Rubro-Negro apresente a melhor nota no recém-lançado Índice PLACAR/Itaú BBA de gestão esportiva, publicado na edição da revista do mês de junho.

A iniciativa de PLACAR surge de uma parceria feita com o economista César Grafietti para criar uma nova métrica para aferir a qualidade da gestão esportiva no país. O Flamengo teve notas negativas nos primeiros três anos e, a partir da primeira gestão do presidente Eduardo Bandeira de Mello em 2013, passou a ter números positivos – inclusive, fez três pontos no Índice naquele ano e ficou no primeiro lugar ao lado do São Paulo.

Quer saber em qual lugar ficou o seu time do coração no Índice PLACAR/Itaú BBA? Clique aqui e assine PLACAR com preço especial, a partir de 8,90 reais por mês!

O Rubro-Negro nunca deixou as primeiras colocações desde então. Nos últimos três anos, é o líder. Os números do balanço de 2019, o último disponibilizado pelos clubes e utilizado para registrar a última versão do Índice, colocaram o Flamengo com uma nota 8, um ponto à frente do Goiás, o segundo colocado – para entender como funcionam as notas do Índice PLACAR/Itaú BBA de gestão esportiva, clique aqui.

De acordo com Grafietti, duas variáveis utilizadas para definir a nota de cada equipe são os principais fatores que explicam a boa gestão financeira do Flamengo: a margem EBITDA (que mede quanto da receita sobra para outras necessidades, como investimentos e pagamentos de dívidas) e a margem EBITDA recorrente (que considera os mesmos pontos, excluindo a venda de atletas).

“A margem EBITDA era muito negativa nos primeiros anos e foi melhorando. Isso é importante, porque as dívidas foram sendo reduzidas e o clube conseguiu gerar mais caixa. É reflexo desse processo de reestruturação que o Flamengo passou. Fica muito claro que o clube mudou totalmente. Melhorou a receita e diminuiu as dívidas”, explica o economista.

Outro ponto destacado por Grafietti foi a relação com o torcedor, um fator que também tem a ver com os bons resultados em campo. O Flamengo conseguiu aumentar o público nos estádios e o preço médio dos ingressos. No ano passado, a receita real do clube foi de 840 milhões de reais – o Rubro-Negro divulgou um total de 950 milhões de reais, mas o número inclui parcelas de vendas de atletas, que foram pagas a terceiros.

A edição de junho de PLACAR, com o ranking completo do Índice, está nas bancas desde a última sexta-feira 19 e também está disponível no app para iOS e Android. A novidade visa ajudar na interpretação dos balanços dos principais times do Brasil. Todas as sextas-feiras, PLACAR irá divulgar os resultados e a análise de cada um dos times. O próximo será o Cruzeiro, lanterna ao lado de Corinthians e São Paulo.

A edição do mês de junho da Revista Placar Divulgação/Placar
Continua após a publicidade
Publicidade