Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Empresa de jogador francês vale mais que Real e Barcelona juntos

Mathieu Flamini, meia com passagens por Milan e Arsenal, é dono de empresa de biomassa avaliada em 120 bilhões de reais

Por Da redação - Atualizado em 14 fev 2018, 16h45 - Publicado em 14 fev 2018, 14h41

O meio-campista francês Mathieu Flamini pode até ter enriquecido jogando futebol, mas tornou-se bilionário graças à visão empreendedora que teve. Em 2008, enquanto jogava no Milan, o atleta fundou a empresa GFBiochemicals ao lado do economista e empreendedor Pasquale Granata, a primeira do mundo a produzir ácido levulínico em escala comercial, já patenteado. Hoje a empresa é avaliada em 30 bilhões de euros (cerca de 120 bilhões de reais).

O ácido levulínico é uma biomassa que pode substituir o petróleo, mas sem causar grandes danos à natureza. Isso deu à empresa do jogador francês prêmios de inovação na área de sustentabilidade e um valor que ele jamais receberia jogando futebol.

De acordo com o site TransferMarkt, os elencos de Barcelona e Real Madrid, somados, estão avaliados em 1,8 bilhão de euros (cerca de 7,2 bilhões de reais) e, de acordo com a revista americana Forbes, as equipes valem 7,2 bilhões de euros (cerca de 29 bilhões de reais), valor ainda muito inferior à empresa do jogador.

Com uma carreira de sucesso nos gramados, o jogador escondeu sua participação na empresa até 2015, quando divulgou ao jornal The Sun sobre sua nova empreitada. Foram gastos milhões de euros e quase uma década para o desenvolvimento do projeto. Próximo de se aposentar dos gramados, o francês de 33 anos foi apresentado pelo Getafe, primeiro clube espanhol de sua carreira, e explicou que, apesar do sucesso na empresa, sua paixão ainda é o futebol.

Publicidade

“Tenho interesses além do futebol, mas minha prioridade é no campo, pois amo o futebol e é nisso que estou concentrado. Tive outras oportunidades de vir à Espanha, mas na minha idade e nesse estágio da carreira é importante encontrar um projeto do qual eu goste. Desde que estive aqui em dezembro, sabia que queria jogar no Getafe”, afirmou o jogador e empresário francês, que assinou um contrato até o meio de 2019.

Flamini iniciou sua carreira no Olympique de Marselha em 2003 e depois jogou por Arsenal, Milan e Crystal Palace.

View this post on Instagram

Bloomberg interview : New partnership shows our vision to grow GFBiochemicals into a global business is moving from potential to reality. #sustainable #environment #gfbiochemicals 🌍

Publicidade

A post shared by Mathieu Flamini (@mathieuflamini) on

Publicidade