Clique e assine a partir de 9,90/mês

Voo MH17: Alemanha omitiu os riscos de sobrevoar leste ucraniano

Segundo a imprensa alemã, Berlim falhou ao não comunicar companhias aéreas sobre situação ‘preocupante’ da região

Por Da Redação - 27 abr 2015, 20h41

O governo alemão conhecia os riscos de sobrevoar o leste da Ucrânia antes do acidente com Boeing da Malaysia Airlines e não informou às companhias aéreas da Alemanha, afirmou a imprensa do país neste domingo. Os 298 passageiros e membros da tripulação do voo MH17 morreram em 17 de julho do ano passado, quando a aeronave em que estavam foi abatida por um míssil ao sobrevoar a zona em guerra.

Uma mensagem diplomática emitida pelo ministério alemão das Relações Exteriores dois dias antes da queda do avião havia avaliado como “preocupante” a situação, depois que um avião militar foi abatido na região, a mais de 6.000 metros de altitude, segundo as informações das radiotelevisões WDR e NDR, e do jornal Süddeutsche Zeitung.

Leia mais:

Destroços do MH17 serão remontados na Holanda

Continua após a publicidade

Viagens aéreas foram mais seguras em 2014, apesar de desastres da Malaysia Airlines

Rússia insiste em tese estapafúrdia sobre voo MH17

“Normalmente, as companhias aéreas devem ser imediatamente informadas em caso de mudança da situação em termos de segurança (…) Esse não foi o caso, mesmo depois do acidente do MH17”, afirmou o SZ. O jornal constatou também que no mesmo dia em que o avião da Malaysia Airlines caiu, três aeronaves da Lufthansa sobrevoaram a zona, uma delas apenas 20 minutos antes do voo MH17.

Autoridades ucranianas e americanas acreditam que o avião foi derrubado por um míssil entregue por Moscou aos militantes pró-Rússia. No entanto, Moscou insiste na teoria de que as forças de segurança de Kiev são as responsáveis. O Boeing 777, com quase 300 civis inocentes de várias nacionalidades a bordo, ia de Amsterdã a Kuala Lumpur. Foi atingido quando sobrevoava uma área controlada por separatistas financiados por Putin no leste da Ucrânia.

Continua após a publicidade

(Da redação)

Publicidade