Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

UE denuncia Rússia por chantagem após corte de gás para Bulgária e Polônia

Moscou justificou os cortes pela falha dos dois países em pagar pela energia em rublos, como havia determinado unilateralmente

Por Da Redação
27 abr 2022, 08h58

A União Europeia acusou a Rússia de chantagem nesta quarta-feira, 27, depois que a gigante de energia Gazprom confirmou que interrompeu o fornecimento de gás para a Polônia e a Bulgária.

Em comunicado, a empresa disse que os dois países não fizeram seus pagamentos pela energia em rublos, como havia determinado.

“A Gazprom suspendeu completamente o fornecimento de gás para Bulgargaz e PGNiG [empresas parceiras na Bulgária e Polônia, respectivamente] devido à ausência de pagamentos em rublos”, disse um comunicado divulgado pela empresa.

Vyacheslav Volodin, presidente da câmara baixa do parlamento russo, a Duma, disse que Moscou fará o mesmo com outros países “hostis”.

A Gazprom também disse que interromperia o transporte de gás que passa pela Polônia e Bulgária com direção a outros países, como a Alemanha, se detectasse uma diminuição dos volumes dos gasodutos.

“Bulgária e Polônia são estados de trânsito”, disse o comunicado da empresa. “No caso de retirada não autorizada de gás russo de volumes de trânsito para países terceiros, os suprimentos serão reduzidos proporcionalmente a esse volume.”

Continua após a publicidade

A consequência imediata do movimento da Gazprom foi um aumento de 20% no preço do gás no atacado, quase sete vezes maior do que um ano atrás.

Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, condenou a medida, dizendo que outros países da União Europeia apoiariam a Polônia e da Bulgária.

“É mais uma tentativa da Rússia de usar o gás como instrumento de chantagem”, afirmou von der Leyen. “Isso é injustificável e inaceitável. E mostra mais uma vez a falta de confiabilidade da Rússia como fornecedora de gás.”

Von der Leyen acrescentou que a União Europeia “está preparada para este cenário”, e conduz negociações com os seus estados membros e países de fora da Europa para garantir o fornecimento de energia. Além de buscar alternativas ao gás russo, foram elaborados planos para contingência e para aumentar os níveis de armazenamento.

“Os europeus podem confiar que estamos unidos e em total solidariedade com os estados membros impactados diante deste novo desafio. Os europeus podem contar com o nosso total apoio”, garantiu a presidente da Comissão Europeia.

Continua após a publicidade

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, determinou em março que os países que eram “hostis” em relação à guerra na Ucrânia teriam que mudar seu método de pagamento pelo gás. A Comissão Europeia, no entanto, disse que as empresas devem continuar a pagar à Gazprom na moeda acordada em seus contratos – cerca de 97% dos quais são em euros ou dólares.

A empresa polonesa de gás PGNiG confirmou que o fornecimento havia parado. Em comunicado, a empresa disse que como o corte de gás é uma quebra de contrato, buscará compensação por meios contratuais e legais.

A Rússia fornece cerca de 55% da demanda anual da Polônia de cerca de 21 bilhões de metros cúbicos de gás, mas o país é muito mais dependente do carvão para a calefação das residências. O gás responde por apenas 9% da matriz energética polonesa.

Na Bulgária, 90% da necessidade energética de gás é suprida por importações russas. Mesmo assim, o governo insistiu que nenhuma restrição seria imposta aos cidadãos no momento.

“Enquanto eu for ministro e responsável por isso, a Bulgária não negociará sob pressão e de cabeça baixa. A Bulgária não cede e não é vendida a qualquer preço”, disse Alexander Nikolov, ministro da Energia da Bulgária.

Continua após a publicidade

O único líder da União Europeia que indicou que faria pagamentos em rublos à Gazprom é o húngaro Viktor Orbán, cujo governo de direita mantém um relacionamento próximo com o regime de Putin há mais de uma década.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.