Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Tribunal de Hong Kong proíbe hino de protesto contra a China

Juízes consideraram que a canção 'Glória a Hong Kong' foi criada para ser usada 'como arma' contra o governo de Pequim

Por Da Redação
Atualizado em 8 Maio 2024, 13h53 - Publicado em 8 Maio 2024, 11h11

O Tribunal de Apelação de Hong Kong acatou nesta quarta-feira, 8, um pedido do governo para proibir a canção “Glória a Hong Kong”, um hino de protesto pró-democracia e contra o governo chinês.

A decisão do tribunal proíbe a transmissão, a distribuição e o compartilhamento da música com a “intenção de estimular a secessão, sugerir que Hong Kong é um estado independente ou insultar o hino nacional chinês”. A canção ainda pode ser utilizada em atividades acadêmicas ou jornalísticas legais.

“Música como arma”

Os juízes do Tribunal de Apelação Jeremy Poon, Carlye Chu e Anthea Pang afirmaram que o compositor de “Glória a Hong Kong” pretendia que a música fosse utilizada como arma. “Nas mãos daqueles que têm a intenção de incitar a secessão e a sedição, a canção pode ser utilizada para despertar sentimentos anti-establishment”, escreveram eles.

O pedido havia sido rejeitado em junho do ano passado por um tribunal inferior, que alegou que a proibição causaria “efeitos inibidores” na liberdade de expressão da população. No entanto, o governo recorreu da decisão depois que a canção foi tocada em diversos eventos internacionais como hino oficial de Hong Kong.

Liberdade ameaçada

A proibição do hino de protesto aumenta a preocupação em relação à liberdade na região, onde Pequim já ordenou a prisão de dezenas de políticos e ativistas opositores ao regime do Partido Comunista Chinês, bem como o fechamento de meios de comunicação progressistas. Críticos afirmam que a decisão do tribunal reflete a erosão do Estado de direito e da liberdade em Hong Kong.

Continua após a publicidade

O tribunal também solicitou que canção fosse removida das ferramentas de busca e plataformas de vídeo de empresas de tecnologia como o Google. “Uma liminar é necessária para persuadir os operadores de plataformas de Internet (IPOs) a removerem os vídeos problemáticos relacionados à música”, disseram os juízes. 

O Google havia negado um pedido do governo para alterar seus resultados de pesquisa que exibiam o hino de protesto como hino oficial de Hong Kong. No entanto, a empresa afirmou que “está revisando a decisão do tribunal”, depois da proibição ter sido acatada.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Lin Jian, afirmou que banir a música era “uma medida legítima e necessária por parte (de Hong Kong) para cumprir sua responsabilidade de salvaguardar a segurança nacional”.

“Glória a Hong Kong” é cantada no dialeto nativo do território, o cantonês, e foi escrita em 2019 em meio a uma onda de protestos pró-democracia. Desde então, foi considerada o hino oficial do país, ao invés da da “Marcha dos Voluntários” da China. A música já era proibida nas escolas desde 2020 pela lei de segurança nacional da China.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.