Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Times Square: festa com vitória de Obama

Por Da Redação
5 nov 2008, 03h25

André Petry, de Nova York

A Times Square, o coração de Nova York, está em festa. Nos imensos telões exibidos nas fachadas dos edifícios, passam as imagens de Barack Obama � e a multidão aplaude. Aparecem imagens de sua mulher, Michelle, e a multidão aplaude. Aparecem números de apuração nos estados � e a multidão aplaude. As esquinas da 7ª Avenida, da rua 40 até a rua 46, estão apinhadas de gente. Todos assistem o que se passam nos telões. Tiram fotografias. Gritam. Assoviam. Os gritos dançam um balé estranho. Propagam-se em ondas como numa ola num estádio de futebol. Começa um grito de �Obama! Obama!� lá pela rua 42, e a onda vai se desdobrando e subindo pela Times Square. �Obama! Obama!� Parece festa de conquista de Copa do Mundo no Brasil. A exceção é que não há bandeiras sendo agitadas, ou há pouquíssimas, nem gente empoleirada em carroceria de pick-ups ou sentada nas janelas dos automóveis. O resto é igual.

�Eu tinha certeza que desta vez ia acontecer�, diz Leah Taylor, 37 anos, produtora de eventos, moradora de Nova York há dois anos. Ela está na Times Square, maravilhada com a festa popular. Ela é democrata e era eleitora de Hillary Clinton. Sua certeza, portanto, não era de que Obama ganharia, mas de que os democratas �desta vez� ganhariam. Leah Taylor, crescida em Oklahoma, estado historicamente republicano e onde John McCain venceu, e que viveu no Tennessee, também historicamente republicano e onde McCain também venceu, sabe exatamente do que está falando. Ela veste uma camiseta preta, com um imenso desenho de Obama nas cores da bandeira da Jamaica � vermelho, amarelo, verde. Leah Taylor é branca.

Continua após a publicidade

Rudolph Jones, 44 anos, está quase paralisado. Ele olha os telões com as imagens da eleição e parece que não acredita. �Não, não, eu confiava, eu sabia que ele venceria�, diz ele, que votou às 7 horas da manhã, e pela primeira vez na sua vida. Faltando uma hora para a meia-noite, resolveu ir para a Times Square festejar a vitória do seu candidato � e fazer questão de espalhar sua profissão. �Eu sou encanador, sou encanador�, diz ele, com um imenso sorriso nos lábios. Sua alegria é uma sátira com �Joe, o encanador�, personagem que o republicano John McCain celebrizou no terceiro e último debate. Joe conversou com Obama no curso da campanha, diz que ficou assustada ao ouvir seus planos tributários e resolveu votar nos republicanos. Rudolph Jones é negro.

Nova York está em festa nesta madrugada. Tem mais gente na rua do que em fins de semana. �O negócio esta noite ficou bom�, diz o motorista de táxi Huttane Younes, 28 anos, cinco nos Estados Unidos. �Espero que seja um sinal do que será o governo de Obama�, torce ele, sempre rindo. Younes é marroquino, vai pedir cidadania americana em breve e, se tudo sair como o planejado, ele já sabe o que fará com seu Green card: �Vou votar. Eu votaria nesse cara. Eu gosto dele�, diz, referindo-se a Obama. �Ele deu alegria para a cidade. Hoje todos os passageiros estão felizes.�

Na Times Square, além de felizes, as pessoas estão atentas e indiferentes aos rápidos pingos de chuva. Elas aplaudem os carros que cruzam as avenidas enquanto buzinam. Às 11h53, num dos imensos telões, uma transmissão da Fox News mostra a calçada em frente a Casa Branca, com uma multidão comemorando a vitória de Obama. A massa na Times Square vai à loucura. Grita, aplaude, assovia. Quatro minutos depois, a multidão ali explode: as imagens de todos os telões exibem Obama entrando no palco em Chicago, onde fará seu discurso da vitória. �Obama! Obama! Obama!�, grita a massa de um lado. �Yes, we can! Yes, we can! Yes, we can!�, grita a massa de outro. Quando Obama diz que a vitória é de todos, brancos e negros, republicanos e democratas, asiáticos, hispânicos, gays etc, a massa vem abaixo. Parece que era o que queria ouvir.

Continua após a publicidade

Uma legenda, que passa na base do telão, orienta os que não ouvem o discurso e os estrangeiros que se acotovelam nas ruas. A massa grita, porque apareceu na tela o rosto de Oprah Winfrey, no meio da multidão em Chicago. A massa grita de novo, porque agora apareceu Jesse Jackson, lágrima nos olhos, ele que foi o primeiro negro a tentar a sério ser candidato presidencial pelo partido democrata. Tentou duas vezes, em 1984 e 1988. Não conseguiu. Já passam catorze minutos da meia noite, já é quarta-feira em Nova York, e a massa delira no entroncamento da 7ª Avenida com a rua 43 porque um carro de bombeiros aciona sua estridente buzina, e põe o som no ritmo intercalado das saudações de vitória. A multidão vai à loucura. Às 12h15, Obama encerra seu discurso em Chicago. E a massa na Times Square aplaude, aplaude, aplaude demoradamente.

Sim, pelo menos nesta noite, Nova York está em festa.

Video

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.