Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Síria: regime e oposição concordam em se encontrar

As duas partes ameaçaram abandonar as conversas nesta sexta, mas acabaram concordando com encontro no sábado, segundo enviado especial da ONU

Por Da Redação
24 jan 2014, 15h49

Depois de se reunir separadamente com representantes do regime sírio e da oposição, o emissário especial das Nações Unidas para a Síria, Lakhdar Brahimi, informou que as duas partes aceitaram se encontrar pessoalmente neste sábado, um dia depois do planejado originalmente. “Eu me reuni em separado com as delegações da oposição e do governo ontem e novamente hoje, e esperamos, chegamos a um acordo, de que amanhã nos reuniremos na mesma sala”, declarou Brahimi a jornalistas.

O encontro deveria ter sido realizado nesta sexta, terceiro dia da conferência de paz sobre a Síria, mas a oposição disse que não se reuniria com os representantes do regime a menos que houvesse concordância em se implantar um governo transitório no país, o que exigiria a saída do ditador Bashar Assad. A delegação síria rejeitou a demanda e ameaçou abandonar as negociações na Suíça se a reunião não fosse remarcada, reclamando da “falta de seriedade da outra parte” – uma crítica à Coalizão Nacional, grupo rebelde que tem o reconhecimento de potências ocidentais e participa das conversas.

Leia também:

‘Diálogo de surdos’ entre oposição e regime enfraquece conferência de paz

Continua após a publicidade

Fotos mostram indícios de matança de prisioneiros na Síria

Não ficou claro se no encontro deste sábado as duas partes conversarão diretamente ou somente com intermediação de Brahimi, que pediu ajuda a “todos os países que têm influência para fazer com que o processo avance”. “Sabíamos que ia ser difícil, complicado”, ressaltou. (Continue lendo o texto)

Continua após a publicidade

Mesmo que o colapso das negociações tenha sido evitado, as expectativas por um acordo para frear a guerra civil no país são quase inexistentes. Mais uma semana de conversas está prevista, mas diplomatas que acompanham as reuniões – que começaram em Montreux e seguem em Genebra – não falam em progresso. “O objetivo é que a primeira rodada de conversações dure até a próxima sexta, mas as expectativas são tão baixas que vamos ver como as coisas se desenvolvem, dia a dia”, disse um diplomata ocidental. “A cada dia é dado um pequeno passo adiante”.

Brahimi indicou que o objetivo da conferência é tentar alcançar avanços localizados, como tréguas em determinadas regiões, libertação de prisioneiros e acesso para ajuda internacional, antes de embarcar em negociações políticas mais complicadas. No entanto, até mesmo essas metas menos ambiciosas enfrentam grandes obstáculos.

Entre as barreiras estão os grupos rebeldes islâmicos que controlam algumas áreas do país e estão boicotando as negociações. Esses grupos afirmam que qualquer um que participe da conferência sem tirar Assad do poder será considerado traidor.

Continua após a publicidade

(Com agências Reuters e France-Presse)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.