Clique e assine com até 92% de desconto

Prefeito chinês é expulso do partido por ‘corrupção moral’

Ji Jianye era prefeito de Nanjing e agora deve sofrer um processo judicial

Por Da Redação 31 jan 2014, 07h01

O Partido Comunista da China expulsou o ex-prefeito de Nanjing por corrupção e abuso de poder, descrevendo-o como “moralmente corrupto”, informa nesta sexta-feira a rede CNN. A agência de notícias estatal Xinhua relata que um inquérito sobre as transgressões de Ji Jianye descobriu que ele se aproveitou de sua posição para buscar benefícios para terceiros e aceitou uma enorme quantidade de dinheiro e presentes pessoalmente ou por membros da sua família.

A decisão foi tomada pela Comissão Central de Inspeção Disciplinar do Partido, que disse que o caso de Ji agora seria tratado pelo sistema judicial. Na China, a expulsão do único partido político geralmente é o primeiro passo antes de serem abertas as acusações criminais. Ji, político popular e em ascensão, foi afastado do cargo de prefeito em outubro e era conhecido, de acordo com a imprensa local, como ‘prefeito trator’ por seu gosto por projetos de demolição e reconstrução em toda Nanjing – cidade com mais de 8 milhões de habitantes.

Leia também

Parentes de dirigentes chineses mantêm fortunas em paraíso fiscal

Poluição da China pode ser sentida nos Estados Unidos

China proíbe membros do governo de fumar em público

O caso de Ju Jianye guarda algumas semelhanças com o de Bo Xilai, político popular até a eclosão de um dos maiores escândalo da história recente da China. Bo, que foi secretário-geral em Chongqing, a maior cidade do país, era apontado como uma das figuras que poderia chegar aos mais altos cargos do Partido Comunista. Ele viu seu destino começar a mudar em fevereiro de 2012, quando Wang Lijun, vice-prefeito e ex-chefe de polícia de Chongqing, refugiou-se em um consulado dos Estados Unidos e revelou crimes cometidos na cidade. Wang era o braço direito de Bo na sua campanha para coagir empresários e adversários políticos. Bo foi posteriormente condenado por corrupção e abuso de autoridade, que lhe valeram uma sentença de prisão perpétua.

O presidente chinês Xi Jinping embarcou em cruzada contra a corrupção desde que tomou posse em março de 2013, comprometendo-se a atingir contra “moscas e tigres” – em referência a funcionários de baixa patente e aos políticos graduados -, não poupando ninguém, independentemente da sua posição. De acordo com a mídia estatal, pelo menos 108.000 funcionários foram punidos nos primeiros nove meses de 2013 e quase vinte altos funcionários de alto nível caíram em desgraça desde o final de 2012.

Contas suspeitas – Recentemente, a imprensa revelou que parentes de mais de doze dirigentes políticos e militares da China [confira lista abaixo do texto] mantêm empresas de fachada e contas nas Ilhas Virgens Britânicas, famoso paraíso fiscal no Caribe. O cunhado do atual presidente da China, Xi Jinping, assim como o filho e o genro do ex-premiê Wen Jiabao estão entre as pessoas que fazem uso do paraíso fiscal. Ter conta em um paraíso fiscal é algo legal, porém, dificulta o rastreamento de ativos financeiros de origem suspeita e contas empresariais podem ser usadas para lavagem de dinheiro oriundo da corrupção.

Continua após a publicidade
Publicidade