Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Pequim acusa Reino Unido de recrutar casal chinês para espionagem

China diz que marido e mulher passavam informações sobre 'unidades-chave' de uma agência estatal ao MI6, serviço secreto britânico

Por Da Redação
3 jun 2024, 09h20

O Ministério da Segurança do Estado (MSS) da China, agência de inteligência e da polícia secreta do país, afirmou nesta segunda-feira, 3, que descobriu um “grande caso de espionagem” envolvendo um casal chinês recrutado pelo pelo MI6, serviço secreto do Reino Unido.

Segundo Pequim, marido e mulher trabalhavam em “unidades-chave” de uma agência estatal chinesa, uma acusação que ocorre após vários casos de suposta espionagem por parte da China no Reino Unido, Alemanha e Bélgica.

Numa publicação na rede social chinesa WeChat, o MSS disse que o marido, de codinome Wang, foi recrutado antes da esposa, quando viajou para o Reino Unido em 2015 como parte de um programa de intercâmbio. Em território britânico, “o MI6 providenciou deliberadamente que funcionários relevantes cuidassem especialmente dele”, afirmou o MSS, descrevendo convites para jantares, visitas e passeios. Segundo Pequim, o objetivo do serviço secreto britânico era “compreender as fraquezas e interesses de seu caráter”.

O comunicado afirmou que o MI6 aproveitou o “forte desejo por dinheiro” de Wang e o contratou para prestar “serviços de consultoria” antes de convencê-lo a retornar à China como um espião do governo britânico. Através dele, a inteligência britânica teria recrutado em seguida sua esposa, de sobrenome Zhou. Wang teria hesitado, mas “não conseguiu resistir à insistente persuasão, sedução e até mesmo coerção britânica”, afirmou o MSS.

Continua após a publicidade

A agência de inteligência chinesa disse que o caso estava sob investigação, mas não informou se o casal foi detido ou acusado de algum crime.

Denúncias anteriores

Em janeiro, o MSS já havia acusado o MI6 de recrutar um cidadão de um terceiro país, que não foi identificado, para espionar o governo chinês, instruindo-o a “usar sua identidade pública” para recolher informações de inteligência durante múltiplas viagens à China desde 2015.

As denúncias abertas fazem parte de uma imagem mais pública que a agência de inteligência chinesa tem cultivado. Após abrir uma conta no WeChat no ano passado, o MSS tem usado a rede social para discutir casos de espionagem e aconselhar a população da China sobre como evitar a “cooptação” por forças estrangeiras.

Continua após a publicidade

Espionagem chinesa

No mês passado, três homens – um agente de imigração chamado Matthew Trickett, uma autoridade comercial de Hong Kong que trabalha no Reino Unido e um oficial da Força de Fronteira – foram acusados ​​por um tribunal de Londres de transmitir informações ilegalmente ao serviço de inteligência de Hong Kong. Pequim disse que as acusações eram falsas e chamou as detenções de “arbitrárias”.

Trickett, um ex-militar da Marinha britânica, foi encontrado morto em um parque perto de sua casa em Berkshire, uma semana depois das acusações. A polícia disse que a morte era “inexplicável”.

Além disso, em abril, dois cidadãos britânicos, incluindo um assessor parlamentar, foram acusados ​​de fornecer informações prejudiciais sobre o Reino Unido à China. No mesmo mês, três alemães foram detidos sob suspeita de transmitir dados militares a autoridades chinesas em troca de dinheiro. Mais tarde, um conselheiro do partido populista de extrema-direita Alternativa para a Alemanha (AfD) foi preso sob suspeita de espionagem para Pequim.

Continua após a publicidade

A China rejeitou todas as acusações como “calúnia maliciosa”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.