Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Patriota: Brasil só apoiará ação na Líbia com aval da ONU

EUA e Europa discutem a criação de uma zona de exclusão aérea no país árabe

O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, reiterou nesta sexta-feira que o Brasil só apoiará uma ação militar na Líbia com o aval do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU). A informação estava em um comunicado lido pelo chanceler durante uma entrevista coletiva em Pequim. A atitude de apoiar as decisões da ONU, condenando ações de ditadores como Muamar Kadafi, marca uma mudança clara na política externa brasileira. O posicionamento ocorre em meio às discussões sobre os próximos passos dos países ocidentais em relação à Líbia.

Na última quinta-feira, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, se pronunciou publicamente pela saída de Kadafi. Ele indicou que os EUA estudam várias ações a serem tomadas em relação à Líbia, e não descartou a criação de uma zona de exclusão aérea sobre o país norte-africano, como querem a França e a Grã-Bretanha.

No mesmo o dia, a Presidência da República do Brasil divulgou comunicado dizendo que acompanhava a situação de conflitos na Líbia e que “apoiará todas as iniciativas adotadas pelas Nações Unidas” em relação ao país. A afirmação foi reiterada por Patriota nesta sexta.

“Qualquer iniciativa militar, inclusive a de exclusão aérea, só pode ocorrer dentro do devido respeito ao rigor das Nações Unidas”, disse. Ele afirmou, porém, que o esforço deve ser na direção de um diálogo que encerre o impasse entre as forças ligadas a Kadafi e os oposicionistas.

Patriota ressaltou que o Brasil apoia as manifestações pela democracia na Líbia. Ele também destacou a importância de ajudar a conter as “eventuais ondas de migração” para a Europa e reforçar a “proposta de estabelecimento de zonas livres de armas nucleares em regiões com focos de tensão, como o Oriente Médio”.

O ministro encerrou, nesta sexta-feira, sua visita de dois dias à China para preparar a viagem da presidenta Dilma Rousseff, nos dias 13, 14 e 15 de abril ao país. Patriota segue agora para a Índia e depois visitará o Sri Lanka e o Catar.