Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Paraguai: jovem é morto com tiro na cabeça após protestos

Senadora diz que a polícia teria tentado impedir a entrada dos carros de bombeiros no Congresso, incendiado por manifestantes

Por Da redação Atualizado em 1 abr 2017, 16h18 - Publicado em 1 abr 2017, 10h48

Um jovem morreu após ser baleado com uma bala de borracha na cabeça pela polícia na sede do Partido Liberal Radical Autêntico (PLRA), em Assunção, após os protestos de sexta-feira à noite. Segundo o presidente do partido, Efraín Alegre, a polícia invadiu “de forma bárbara” o prédio e disparou contra as pessoas que estavam no interior.

De acordo com o jornal paraguaio ABC, o jovem morto é Rodrigo Quintana, presidente da Juventude Liberal paraguaia. Relatos de testemunhas indicam que os policiais invadiram a sede procurando por Efraín Alegre, mas abriram fogo contra todas as pessoas no local. Rodrigo foi transferido para um hospital, mas acabou falecendo.

A polícia emitiu um comunicado afirmando que está investigando a morte, já que existem suspeitas de que o assassinato “foi cometido por um agente policial”. “Garantimos que chegaremos a um total esclarecimento do ocorrido e os responsáveis serão colocados à disposição da Justiça”, diz o anúncio.

Continua após a publicidade

Protestos – Várias centenas de pessoas protestaram na frente do Congresso e colocaram fogo nas portas no prédio na noite de sexta. Jovens que tentavam invadir o local ficaram gravemente feridos. Segundo a imprensa local, 211 manifestantes foram detidos.

Os protestos começaram depois que um grupo de 25 senadores aprovou um projeto para habilitar a reeleição presidencial em uma reunião convocada de surpresa. O encontro a portas fechadas contou a presença de governistas e aliados do governo. A decisão foi tomada sem a presença de diversos legisladores e do presidente do Senado, Roberto Acevedo.

Os bombeiros demoraram a chegar ao local para apagar o fogo. Segundo relatou a senadora Desiree Masi ao jornal Folha de S.Paulo, a polícia teria tentado impedir a entrada dos carros de bombeiros no Congresso. “Os policiais não atuaram para proteger os senadores que estavam lá dentro, vigiando para que nossa Constituição não fosse descumprida. Ficaram ali, de braços caídos, e impedindo a entrada dos hidrantes”, disse.

Desiree não estava entre os senadores que aprovaram a emenda para reeleição. Segundo ela, a reunião foi “completamente irregular e secreta” e seu partido, o Democrático Progressista, deve se reunir ainda nesse sábado para definir os próximos passos.

A atual Constituição paraguaia proíbe a reeleição presidencial. Após ser confirmada pela Câmara dos Deputados, a emenda ainda será submetida a um referendo nacional, no prazo de três meses, convocado pelo Tribunal Superior de Justiça Eleitoral.

O projeto beneficiará o ex-presidente Fernando Lugo, que poderá concorrer nas eleições de 2018, e o atual presidente do Paraguai, Horacio Cartes. Os senadores que aprovaram a medida eram membros do partido de Lugo, o Frente Guasú, e do Partido Colorado, de Cartes.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês