Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Papa Francisco visita Auschwitz em completo silêncio

Terceiro pontífice a visitar o campo de concentração, Francisco optou por não se pronunciar durante a visita

O papa Francisco visitou nesta sexta-feira, pela primeira vez, o campo de concentração nazista de Auschwitz, na Polônia. Na saída, o pontífice assinou o livro de Honra do local, pedindo que “o Senhor tenha piedade de seu povo”. “Senhor, perdão por tanta crueldade”, escreveu.

Duas linhas, escritas em espanhol, com a assinatura Francisco, foram as únicas palavras do papa sobre as sensações de sua visita ao local onde foram assassinadas 1,1 milhão de pessoas, já que decidiu que não pronunciaria nenhum discurso. Após visitar o museu e o memorial às vítimas, o pontífice se sentou sozinho em um banco, onde rezou em silêncio por alguns minutos.

Leia também:
Papa Francisco cai durante missa na Polônia
Papa diz que atentados mostram que mundo está em guerra
Papa diz que cristãos deveriam pedir desculpas aos homossexuais

Francisco falou apenas no momento em que conheceu um grupo de sobreviventes de Auschwitz, além de algumas pessoas chamadas “justos das nações”, conhecidas por terem ajudado a salvar vidas de judeus durante a ocupação nazista na Polônia. Em seguida, em um os momentos mais marcantes da visita, o pontífice visitou a cela subterrânea onde morreu o sacerdote polonês Maximiliano Kolbe, que se ofereceu para tomar o lugar de um prisioneiro que seria assassinado.

(Com EFE)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Edison Antunes

    De que adianta esse tipo de coisa…..tem coisas acontecendo e nada acontece….!?

    Curtir

  2. Fabio Tavares

    Não fizeram nada durante a guerra! 60 milhões de pessoas assassinadas, agora isso!! CHEGA DE ENGANAR AS PESSOAS!!! BASTA!!

    Curtir

  3. Fabio Tavares

    APENAS REPETE O PROCEDIMENTO QUE REALIZARAM NA GUERRA, FICARAM QUIETOS!!!

    Curtir

  4. Fabio Tavares

    APROVEITA E VAI VISITAR A SIRIA!!! SERÁ BEM VINDO POR LÁ….!!!

    Curtir

  5. Aloizio Barros de Souza

    Fico apavorado de ver a ignorância de alguns leitores aqui. O que ele o Papa, pode fazer hoje seus incrédulos, a não ser rezar por aqueles que morreram há mais de 70 anos sob o crivo nazista? Ele comanda uma igreja e pelo que eu saiba não são os cristãos que andam cometendo terrorismo hoje em dia. Entendam que ali estava um líder religioso, chefe de estado e acima der tudo um ser humano que como muitos que ali visitam, o fazem para que, o que ali aconteceu, nunca seja esquecido.

    Curtir

  6. Fabio Tavares

    REALMENTE SANTA IGNORÂNCIA!!!

    Curtir

  7. Eng.Químico CREA/SC:1081919

    Não gosto desse Papa,que é um Papa a serviço do globalismo e da Nova Ordem Mundial.Agora,afirmar que a Igreja Católica não fez nada na 2º Guerra Mundial é desconhecer a história.É ser influenciado pelos livros que surgiram a mando da KGB para sujar a imagem de Pio XII e de João Paulo II.

    Curtir

  8. ChefSergio Amaral

    Duvido que ele nao deu um peidinho la dentro e pensou “morreram tantos aqui e eu tava em casa tomando vinho na boa….” KKK

    Curtir

  9. Roberto Flores Martins

    O Papa deveria fazer manifestação semelhante em relação ao assassinato de 140 milhões de cidadãos indefesos mortos pelos regimes comunistas. Foram 20 vezes mais assassinatos do que os nazistas realizaram durante a Segunda Guerra! Estes porém o jornalismo militante de esquerda não faz qualquer referência!

    Curtir

  10. Fabio Tavares

    Concordo com vc, meu caro!!! Faço da suas minhas palavras, e continuo pedindo ao ilustre “Papa”, que faça uma visita a Siria.

    Curtir