Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

‘O governo do Irã está mais fraco do que nunca’, diz ativista

A iraniana Shirin Ebadi está otimista diante das várias crises que o regime do Irã enfrenta, mas veio ao Brasil pedir ajuda. Ela espera que o governo brasileiro prove que se compromete na luta pelos direitos humanos

Por Cecília Araújo
7 jun 2011, 21h39

Quando a advogada iraniana Shirin Ebadi, ganhadora do Nobel da Paz de 2003 e ativista pelos direitos humanos, divulgou sua vinda ao Brasil, o governo Dilma estremeceu. É certo que neste início de mandato a presidente já deu passos importantes no âmbito dos direitos humanos, especialmente em relação ao Irã. O Brasil ajudou a evitar o apedrejamento de Sakineh Mohammadie-Ashtiani e votou na ONU a favor de uma proposta que determinava o envio de um relator inindependente para investigar violações de direitos humanos no Irã. Sobre esses passos iniciais, Shirin comemora e agradece.

Porém, após uma declaração do governo iraniano de que a visita da opositora teria cunho político, Dilma Rousseff hesitou e finalmente decidiu que não se reuniria com Shirin, sugerindo que, em seu lugar, o assessor especial de Assuntos Internacionais da Presidência da República, Marco Aurélio Garcia, se encontrasse com ela. A decisão soou como um passo para trás na sua anunciada mudança de posicionamento em relação ao governo Lula. “Não vou me encontrar com mais ninguém, só vim para ver a Dilma”, disse Shirin, em coletiva à imprensa, na sede da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), em São Paulo, nesta terça-feira.

Ela explicou que veio ao Brasil especialmente para falar a Dilma sobre o caso de uma advogada presa no Irã há onze meses, que foi sentenciada a onze anos de prisão. Nasrin Sotudeh ganhou vários prêmios internacionais e trabalhava para o governo quando foi condenada por defender pessoas que falavam mal do presidente Mahmoud Ahmadinejad . “Quando em um país até bons advogados são presos, isso demonstra a limitação sob a qual vivem todos cidadãos”, disse.

A iraniana pede que o Brasil se junte a ela na luta não só pela libertação dessa advogada, mas de inúmeros outros presos políticos com casos semelhantes. “Eu não pertenço a nenhum partido político, apenas quero discutir os direitos humanos”, pontua. O assessor de Shirin no Brasil, Flávio Rassekh, afirmou que a opositora ainda vai insistir em um encontro com Dilma em Brasília nesta quinta-feira, dia 9. “Se ela não me receber, de qualquer jeito vou mandar uma carta de agradecimento pelo seu posicionamento em relação a Sakineh”, afirmou Shirin.

Crise no Irã – Segundo a ativista, o governo iraniano passa no momento por três crises. Uma delas é antiga, do povo contra o governo – o que explica o número de estudantes, jornalistas, advogados e outras classes que estão presos no país. A segunda é uma divergência entre a esquerda e a direita dentro do governo. E a terceira é uma briga da direita entre si.

Continua após a publicidade

Desde o mês passado, Ahmadinejad e o líder supremo Ali Khamenei estão em conflito devido à demissão do ministro da Inteligência do país, Heidar Moslehi. “Há dois anos, era o povo que criticava Ahmadinejad por conta das fraudes nas eleições e de sua atitude como presidente. Atualmente, o próprio líder supremo está contra ele, o que torna ainda mais injusto que tantas pessoas, que disseram exatamente o que Khamenei diz hoje, estejam presas”, reclama Shirin.

Mesmo que no país estatísticas do tipo não sejam publicadas, a advogada tem certeza: “O governo está mais fraco do que nunca, porque é mais brutal do que nunca. Um regime que tem uma base de apoio entre a população não comete tais brutalidades, nem tem medo do povo”.

Violações – Em sua fala à imprensa, Shirin ainda lembrou uma série de atrocidades cometidas pelo governo iraniano, desde a implementação da lei islâmica no Irã, após a Revolução de 1979. Depois da China, o país é o que tem o maior número de execuções no mundo. É também a nação que possui o maior número de pessoas executadas abaixo dos 18 anos e que permite castigos como amputação e apedrejamento.

No Irã, a idade de responsabilidade criminal é reduzida em relação a outros países: para meninas é de 9 anos e para meninos, de 15. “Isso significa que uma menina de 10 anos ou um menino de 16 tem um tratamento igual ao de um adulto que comete o mesmo crime, sendo que a pena para criminosos abaixo de 18 anos é a execução”, lamenta Shirin. Há 40 dias, três jovens menores de 18 anos foram executados.

Continua após a publicidade

Mulheres – A condição das mulheres no Irã também é um grande problema. Segundo Shirin, mais de 65% dos estudantes universitários são mulheres, e grande parte dos professores também. Num tribunal, o testemunho de duas mulheres equivale ao de um homem. Além disso, um homem pode ter até quatro esposas e se divorciar sem justificativa e a qualquer momento.

Qualquer mulher na República Islâmica, seja ela estrangeira ou não, é obrigada a usar véu, vestido comprido e calças. Se essa exigência não for obedecida, ela é condenada a 80 chibatadas. O homossexualismo também é considerado um crime, cuja pena é a execução. “É sobre isso que o povo iraniano protesta e é sobre isso que vim falar no Brasil”, apontou Shirin.

Trajetória – Shirin Ebadi decidiu deixar o Irã na véspera das eleições de 12 de junho de 2009, que, sob suspeita de fraude, deram um segundo mandato a Ahmadinejad e detonaram uma onda de protestos diários nas ruas de Teerã, duramente reprimidos. Hoje, a advogada vive em Londres e passa grande parte de seu tempo em viagem pelo mundo – fazendo denúncias, ajudando a fundar organizações humanitárias e representando as vítimas da repressão no país dos aiatolás.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.