Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

O curioso caso de uma barulhenta ‘fake news’ colonial

Livro analisa o mito em torno da volta triunfal de dom Sebastião, o rei português morto em batalha — crença que estimulou impostores e populistas

Por Alessandro Giannini Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 13 nov 2023, 13h38 - Publicado em 12 nov 2023, 08h00

Jovem, idealista e extremamente católico, dom Sebastião, o Desejado, reinou em Portugal, na segunda metade do século XVI, com forte apoio da população, que depositava nele a esperança de renovação e de um futuro promissor para o país. Imbuído de seu destino heroico, o rei comandou em pessoa uma expedição militar para combater os mouros no norte da África — e morreu na batalha de Alcácer-Quibir, no Marrocos, em 4 de agosto de 1578, aos 24 anos, desencadeando uma crise sucessória na corte e na Península Ibérica. Avistado pela última vez embrenhando-se a cavalo no meio das tropas inimigas, dom Sebastião sumiu na batalha e virou lenda. Seus restos seriam reconhecidos no dia seguinte por nobres que o acompanhavam e confirmaram a morte, mas há quem duvide até hoje da veracidade desses fatos — dúvida plantada em Lisboa através de rumores de que o rei estava vivo e voltaria para livrar o reino dos oportunistas. No recém-lançado Morte e Ficção do Rei Dom Sebastião (Tinta da China Brasil), o historiador português André Belo destrincha o famoso episódio que, sob o olhar de hoje, tem todos os ingredientes de uma monumental fake news histórica.

SUMIÇO - Campanha na África: derrota na batalha de Alcácer-Quibir
SUMIÇO - Campanha na África: derrota na batalha de Alcácer-Quibir (Casa da Moeda-Lisboa/.)

Os restos de dom Sebastião, transmutado em O Encoberto, foram resgatados quatro anos depois de sua morte e repousam no Mosteiro dos Jerônimos, em Lisboa, mas persiste a crença de que o mausoléu faz parte de uma teia de invencionices que abrange os testemunhos e documentos oficiais. “Basta haver notícia para haver falsas notícias”, ressalta Belo. “Elas sempre existiram na história humana.” O desaparecimento do rei abriu caminho para a formação da União Ibérica, que reuniu Portugal e Espanha sob o domínio da Casa dos Habsburgos, situação que perdurou até 1640, quando a família real portuguesa retomou o trono. Descontentes com o predomínio espanhol na nova configuração, opositores portugueses foram os primeiros a incentivar o chamado sebastianismo, que depois foi sendo reciclado e aplicado a diferentes personagens e em momentos difíceis. Dom João IV, que devolveu o trono português à Casa de Bragança, era considerado uma espécie de Sebastião redivivo pelo padre Antônio Vieira, figura de grande influência na corte. Os ataques de Napoleão Bonaparte, entre 1808 e 1811, quando dom João VI e a família real fugiram para o Brasil, fizeram renascer o mito heroico na resistência dos portugueses aos franceses. “Simplificando muito, foi em momentos de crise que se recorreu ao sebastianismo”, resumiu Belo a VEJA.

IMPOSTOR - Catizone: falso dom Sebastião foi condenado à morte
IMPOSTOR - Catizone: falso dom Sebastião foi condenado à morte (Museu do Prado/.)

O sebastianismo é, na análise do sociólogo português, uma forma de messianismo que assumiu várias “encarnações” desde que foi criado e foi seguidamente usado para impulsionar ideias e personagens populistas. O livro reproduz em detalhes um episódio ocorrido em 1598, quando o calabrês Marco Tulio Catizone surgiu em Veneza dizendo ser o rei português morto (embora sequer falasse o idioma) e recorrendo a textos considerados proféticos. O suposto retorno foi divulgado em panfletos e livros publicados pelos expatriados envolvidos na fabricação do enredo. Exposto como impostor, Catizone foi preso em 1603 e condenado à morte — viria a ser executado na Espanha, em 7 de agosto daquele ano. “Detive-me sobre este caso porque considero que foi ele que criou as principais bases para a persistência do sebastianismo posteriormente”, explica Belo.

Continua após a publicidade
MORTE E FICÇÃO DO REI DOM SEBASTIÃO, de André Belo (Tinta da China Brasil; 288 páginas; 90 reais)
MORTE E FICÇÃO DO REI DOM SEBASTIÃO, de André Belo (Tinta da China Brasil; 288 páginas; 90 reais) (./.)

No século XIX, chegou-se a proclamar o fim do fenômeno. Mas intelectuais e políticos portugueses trataram de desenterrá-lo mais uma vez, dando-lhe uma nova roupagem. A mitologia sebastianista foi alimentada, nos tempos da ditadura de António Salazar (1889-1970), para exaltar nacionalismos e assegurar um confortável conformismo social. No Brasil, o adepto mais conhecido da lenda do retorno do rei foi Antônio Conselheiro, que em suas pregações aos seguidores na revolta de Canudos (1896-1897), no sertão baiano, afirmava que dom Sebastião voltaria para acabar com a monarquia no Brasil. Aos poucos, porém, o mito foi perdendo o brilho. “Na minha interpretação, o sebastianismo não tem de modo algum a importância que já teve, ao menos na parte política”, sentencia Belo. Na ausência de rigor científico e documentação histórica, nenhum mito, vivo ou morto, consegue parar de pé.

Publicado em VEJA de 10 de novembro de 2023, edição nº 2867

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.