Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Número de refugiados sírios no Líbano já supera 35 mil

Por Da Redação
3 ago 2012, 18h58

Beirute, 3 ago (EFE).- O número de cidadãos sírios que buscaram refúgio no Líbano a causa do conflito que castiga seu país já supera os 35.000, informou hoje o Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (Acnur).

Em seu relatório semanal, a Acnur detalhou que, desse número, um total de 33.664 deslocados sírios foram registrados, e que prossegue com sua campanha para inscrever outros milhares que chegaram recentemente para prestar-lhes ajuda e proteção.

O organismo humanitário assinalou, além disso, que os refugiados sírios continuam sua entrada no Líbano pela passagem fronteiriça de Masnaa, e daí são levados para diferentes regiões do país, especialmente a Beirute, Trípoli e Sidon.

A Acnur disse, igualmente, que entre os deslocados a quem foi permitido a entrada no Líbano há alguns que foram detidos, por isso que pediu ao Departamento de Segurança Nacional libanesa ‘um processo claro e sistemático’ para que possa visitar os detidos que temem retornar à Síria.

Continua após a publicidade

‘Só desta maneira a Acnur poderá cumprir com sua missão e determinar se seus temores são fundados para pedir que não os deporte do Líbano’, ressalta o relatório, em alusão aos 14 cidadãos sírios que na quinta-feira foram entregues pelas autoridades libanesas às sírias.

Segundo algumas ONGs, quatro desses expulsos tinham expressado seu medo de serem assassinados se retornassem a seu país.

A Acnur também denunciou os últimos bombardeios das tropas sírias sobre as áreas libanesas do Nura, Debebiye e Jerbet, localizadas nas proximidades da fronteira com a Síria, porque afetaram a população local e os refugiados.

Continua após a publicidade

Nesse sentido, lembrou que cerca de 12 cidadãos sírios ficaram feridos nestes ataques e que tiveram que ser internados em hospitais libaneses.

O Governo libanês se opôs várias ocasiões à instalação de campos de refugiados sírios em seu território com o argumento de querer se manter afastado do conflito no país vizinho.

Por essa razão, a maioria dos deslocados vive em casas de parentes, colégios ou casas alugadas em uma precária situação devido à escassez de ajuda.

Continua após a publicidade

Desde a explosão da revolução, em março de 2011, contra o regime sírio, cerca de 20 mil pessoas morreram pela violência e a repressão, segundo dados divulgados pela ONU. EFE

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.