Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Nova Zelândia alerta sobre impacto ambiental de ‘Senhor dos Anéis’

Equipes de grandes produções apontaram lacuna em regulamentação sobre emissões de gases nocivos e lixo produzido nos sets de filmagem

Por Da Redação 9 nov 2022, 17h25

Funcionários da indústria cinematográfica denunciaram o enorme impacto ambiental gerado por grandes produções como “Senhor dos Anéis” na Nova Zelândia.

Uma reportagem do jornal britânico The Guardian publicada nesta quarta-feira, 9, revelou que por trás do glamour e dos lucros gerados por grandes sucessos do cinema, estão emissões de gases poluentes e uma gigantesca produção de resíduos que não são adequadamente descartados ou reciclados.

O levantamento feito pelo veículo apontou que a primeira temporada de “O Senhor dos Anéis: Os Anéis de Poder”, série produzida pela Amazon Prime Video gerou cerca de 14.387 toneladas de dióxido de carbono. O número é cinco vezes a média de emissões que a British Film Commission, agência britânica de cinema estima que um longa-metragem produziria.

+ Vulcão de ‘O Senhor dos Anéis’ entra em erupção

Um fornecedor envolvido na produção da Amazon relatou ter coletado 11.433 metros cúbicos de resíduos produzidos durante as gravações, o que equivale a cerca de quatro piscinas e meia olímpicas.

Continua após a publicidade

Em resposta às alegações dos trabalhadores de altas emissões e resíduos, a Amazon diz que cumpriu todas as leis e “cumpriu ou superou os padrões da indústria”

+ Nova Zelândia lança plano de proteção contra desastres climáticos

A empresa citou iniciativas como reciclagem de resíduos de papel e baterias, instalação de estação de carregamento de veículos elétricos em cada estúdio, incentivo ao uso de garrafas de água reutilizáveis. Apesar do esforço, a escala de descarte permaneceu enorme e fontes ouvidas pelo Guardian estimam que os números irão aumentar com o trabalho de finalização e pós-produção da série.

O governo da Nova Zelândia também foi alvo de críticas pela falta de regulamentações ambientais sobre as produções que utilizam locações no país.

Continua após a publicidade

“Se grandes corporações querem vir a este país e usar a beleza que está aqui, [há o dever] de preservar a beleza”, disse um dos trabalhadores de várias grandes produções. “É de partir o coração. Sinto que os neozelandeses estão sendo completamente aproveitados.”

De acordo com relatos, grandes quantidades de resíduos contaminados foram enviadas para aterros neozelandeses, o que poderia ter sido evitados com um planejamento para minimizar a contaminação e reciclar materiais.

A Nova Zelândia tem alguns dos subsídios cinematográficos mais generosos do mundo, com isenções de impostos que de até 25 centavos para cada dólar gasto em grandes produções nacionais. Em 2021, o ministro do desenvolvimento econômico Stuart Nash disse ao parlamento que o governo esperava desembolsar mais US$ 1 bilhão (cerca de cinco bilhões de reais) nos próximos cinco anos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.