Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Milagres’ que cercaram o resgate dos 33 mineiros chilenos

Livro destaca pequenos fatos que alimentaram a esperança ao longo de 69 dias

A esperança era tão poderosa quanto o frio intenso que dominava as noites do Deserto do Atacama, no Chile. Entre jornalistas, engenheiros, políticos e parentes, não havia quem não reconhecesse que o clima do acampamento onde as famílias aguardavam o resgate dos 33 mineiros presos na Mina de San Jose tinha algo de excepcional. Era surpreendente o número de pessoas que a solidariedade havia movido até ali, a força de vontade incansável dos envolvidos na operação. Para Carlos Parra Díaz, pastor da Igreja Adventista do Sétimo Dia escolhido como capelão do local, aquela convivência só pode ser explicada pela fé. “O espírito que se viu no Acampamento Esperança foi raro. Vivíamos sentimentos muito humanos, mas que eram impulsionados por alguma coisa superior”, descreve, em entrevista ao site de VEJA. Esse é o sentimento que cerca seu livro, Acampamento Esperança: O 34º homem e outras histórias extraordinárias do resgate dos mineiros no Chile (Editora Thomas Nelson Brasil, 199 páginas, 29,90 reais), lançado este mês no Brasil.

Apesar do tom de pregação religiosa muitas vezes exagerada, a obra traz um precioso relato de como mineiros e familiares encontraram, em pequenos fatos extraordinários, forças para resistir a 69 dias de pura incerteza. A sonda que se desviou da rota programada e acabou levando os engenheiros ao caminho certo pode ser interpretada por muitos como coincidência ou sorte. Na visão de Díaz, porém, é mais um dos muitos milagres presenciados durante aquele período. “Todos que participaram do resgate – até o presidente do Chile, Sebastián Piñera – reconheceram que ali se passou um milagre”, enfatiza o Pastor. E como quem tem a certeza de um experimento comprovado cientificamente, ele ergue os olhos, firma a voz e continua: “Hoje, em setembro de 2011, para muitos, esse evento já é notícia passada. O que eu quero dizer com este livro é que, ao menos para as milhares de pessoas que oraram pelo sucesso da operação, isso é um evento presente, uma herança espiritual para o mundo”.