Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Líderes do G7 querem impor teto no preço de combustíveis russos

O lobby para estabelecer um preço máximo para comprar petróleo e gás tem objetivo de reduzir as receitas de Moscou e prejudicar financiamento da guerra

Por Da Redação Atualizado em 27 jun 2022, 12h12 - Publicado em 27 jun 2022, 11h44

Em uma cúpula na Alemanha nesta segunda-feira, 27, líderes do G7 estão examinando um novo pacote de sanções contra a Rússia devido à invasão à Ucrânia, incluindo um projeto para impor um teto no preço do petróleo russo.

O objetivo no teto das importações do produto é reduzir a receita de energia de Moscou, cuja metade do orçamento federal provém de exportações de gás natural e petróleo.

“Os objetivos duplos dos líderes do G7 têm sido mirar diretamente nas receitas do [presidente russo Vladimir] Putin, particularmente por meio da energia, mas também minimizar as repercussões e o impacto nas economias do G7 e no resto do mundo”, disse o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, durante a reunião.

O líder ucraniano, além disso, pediu ao grupo sistemas de defesa antiaérea, garantias de segurança e ajuda nas exportações de grãos. Ele disse precisar de um empurrão para garantir que a guerra da Rússia na Ucrânia termine antes do inverno chegar.

Logo após a aparição de Zelensky na reunião, por meio de uma chamada de vídeo, uma declaração do G7 dizendo que o grupo está comprometido em “sustentar e intensificar a pressão econômica e política internacional sobre o regime do presidente Putin e seus aliados em Belarus”.

“Continuaremos a fornecer apoio financeiro, humanitário, militar e diplomático e ajudarmos a Ucrânia pelo tempo que for necessário”, acrescentou o G7.

Mas nos bastidores, enquanto Putin avança e ganha território no leste da Ucrânia, há uma profunda preocupação de que o Ocidente ainda não tenha gerado uma combinação de políticas capaz de forçar um recuo da guerra. Um plano para proibir as importações de ouro russo proposto pelos Estados Unidos e Reino Unido, considerado um passo incremental, e não decisivo, ainda não tem o apoio claro da União Europeia.

Enquanto isso, os limites máximos para o preço do petróleo e do gás russos estão sendo encabeçados pelo primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, e apoiados pelo presidente francês, Emmanuel Macron.

Continua após a publicidade

O teto do preço do gás funciona por meio da recusa dos europeus a pagar acima de um preço fixo (ainda não especificado). Argumenta-se que a Rússia, no curto prazo, não tem mercado alternativo para vender o produto porque seu transporte depende de gasodutos. A menos que Moscou esteja preparada para sofrer um grande impacto em suas receitas, fechando gasodutos por completo, não teria outra opção a não ser aceitar o preço ditado pela Europa. (O gás liquefeito estaria isento deste preço máximo).

“Colocar um teto no preço dos combustíveis fósseis importados da Rússia tem um objetivo geopolítico, além de econômico e social”, disse Draghi ao G7 no domingo 26. “Precisamos reduzir nosso financiamento para a Rússia. E precisamos eliminar uma das principais causas da inflação. Devemos evitar os erros cometidos após a crise de 2008: a crise energética não deve produzir um retorno do populismo”, acrescentou.

Já um teto no preço do petróleo funcionaria por meio da colaboração do quase monopólio que fiscaliza navios-tanque, a organização de seguros chamada International Group of Protection and Indemnity Clubs, responsável por cobrir 95% da frota mundial. A empresa deve garantir que petroleiros russos serão sancionados se permitirem que o produto seja vendido acima de um preço fixo. A proposta é capitaneada pela secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen.

+ Rússia lucrou US$ 97 bi com exportação de energia desde o início da guerra

A produção de petróleo russa caiu com a pressão das sanções, mas suas receitas por barril aumentaram devido à disparada do preço do petróleo no mundo inteiro – o oposto do que os líderes ocidentais desejavam com a medida.

Os Estados Unidos e o Canadá proibiram todas importações de petróleo russo, enquanto a União Europeia anunciou um plano para acabar com as importações por mar até o final do ano.

A Alemanha é o país do G7 que mais se incomoda com os limites de preços, por temer que Putin possa simplesmente desligar o fornecimento de gás para a Europa. Na semana passada, a Rússia cortou os fluxos de gás em 60%, citando atrasos em equipamentos de manutenção, mas a explicação não foi considerada crível dentro do G7.

Um corte agora deixaria a Europa vulnerável. O continente está tentando aumentar as reservas de gás para sobreviver ao que deve ser um inverno tenso no fim do ano. Os países da União Europeia foram orientados a preencher suas reservas de gás até um mínimo de 80%, mas ainda estão bem aquém disso.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)