Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Investigações descartam ação terrorista em acidente de avião na Rússia

Aeronave Boeing 737 caiu e explodiu quando tentava aterrissar no aeroporto de Kazan; 50 pessoas morreram

Por Da Redação
18 nov 2013, 08h28

Autoridades russas, após as primeira investigações, descartam ação de terroristas como a causa da queda de um avião Boeing 737 no aeroporto da cidade de Kazan, capital da república da Tartária, neste domingo. O acidente provocou a morte de 50 pessoas – 44 passageiros e seis tripulantes. A partir de agora, a investigação apura se o acidente ocorreu por falha humana ou problemas técnicos na aeronave.

Segundo a torre de controle do aeroporto, o piloto Rustem Salijov comunicou aos técnicos que decidiu abortar a primeira aterrissagem e faria uma segunda tentativa. Nesta segunda tentativa, o avião caiu. O Comitê de Instrução (CI) russo, órgão responsável por investigar o acidente, disse que as causas que levaram o piloto a desistir da primeira tentativa de aterrissagem ainda não são conhecidas. O ministro dos Transportes russo, Maxim Sokolov, disse que nas imagens o avião aparece caindo “praticamente na posição vertical”. (continue lendo o texto)

Vídeo: ​​Rússia investiga acidente aéreo que matou 50

A companhia aérea Tartária utilizava o Boeing em regime de aluguel da empresa de aviação Bulgarian Aviation Group e assegurou que o avião estava em boas condições técnicas. Antes de cair, segundo a companhia, a aeronave tinha passado por revisão e realizado outros três voos no mesmo dia.

Continua após a publicidade

O Boeing, o menor da série 737, entrou em serviço em 1990 e a Tartária o alugava desde 2008. Uma jornalista que tinha viajado horas antes do acidente no mesmo avião de Kazan a Moscou disse à televisão russa que os passageiros se assustaram com às fortes vibrações do avião durante aterrissagem na capital russa.

Vítimas – Entre os mortos estão o tenente-general Alexander Antonov, chefe regional do Serviço Federal de Segurança russo, e Irek Minnikhanov, filho do governador do Tartaristão, Rustam Minnikhanov, informou a agência de notícias russa RIA Novosti. O Ministério das Relações Exteriores da Grã-Bretanha confirmou que há uma cidadã britânica entre as vítimas, a professora Donna Bull, de 53 anos.

(Com agência EFE)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.