Clique e assine com até 92% de desconto

Indonésia transfere estrangeiros para local da execução

Condenado à morte por tráfico, brasileiro Rodrigo Gularte não está entre os presos deslocados na operação. Procedimento indica que data dos fuzilamentos está próxima

Por Da Redação 4 mar 2015, 04h27

Quatro estrangeiros condenados à morte por tráfico de drogas na Indonésia foram transferidos nesta quarta-feira para o local da execução, informou a imprensa local. Dois australianos, um filipino e um nigeriano formavam o grupo que foi conduzido de uma cadeia Bali para a ilha-prisão de Nusakambangan, no Sul de Java, onde ocorrem os fuzilamentos.

Os quatro condenados estão entre os nove estrangeiros que devem enfrentar o pelotão de fuzilamento nos próximos dias, na segunda rodada de execuções autorizada pelo governo do presidente Joko Widodo. O brasileiro Rodrigo Gularte faz parte do grupo, mas não está claro se ele já foi transferido para a prisão insular.

Leia também:

Brasileiro foi arrastado para a morte sem receber extrema-unção

Indonésia adia execução de brasileiro condenado por tráfico

Continua após a publicidade

A transferência de parte dos presos indica que a data das execuções está próxima, mas as autoridades da Indonésia avisam os condenados sobre o fuzilamento com 72 horas de antecedência.

Austrália – A condenação capital de dois australianos provocou revolta no governo do país, que prometeu lutar até o último momento pelas vidas de seus cidadãos. “A posição da Austrália é que nós abominamos o crime envolvendo drogas, mas também abominamos a pena de morte, medida que pensamos estar abaixo de um país como a Indonésia”, declarou o primeiro-ministro Tony Abbott, que disse se sentir “revoltado” com a situação.

Andrew Chan e Myuran Sukumaran foram condenados à morte em 2006 por dirigir uma rede de tráfico de heroína.

O presidente indonésio Joko Widodo tem adotado uma postura dura contra traficantes de drogas desde que assumiu o poder, no final de 2014, negando todos os pedidos de clemência para estrangeiros condenados. Na primeira rodada de execuções do novo governo, cinco estrangeiros foram mortos, entre eles o brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade