Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Incêndio no Chile atinge 2.000 casas e deixa doze mortos

Mais de 1.200 bombeiros trabalham no combate ao incêndio, que começou em uma floresta nos arredores da cidade portuária de Valparaíso

Por Da Redação - 13 abr 2014, 10h35

(Atualizado às 22h47)

Mais de 2.000 casas ficaram destruídas e 10.000 pessoas foram evacuadas em Valparaíso, no Chile, desde o início de um incêndio de grandes proporções, na noite de sábado. Segundo as autoridades, doze pessoas morreram e cinco foram atendidas com queimaduras nos hospitais – duas delas foram transferidas para a capital, Santiago, por causa da gravidade das lesões. O Ministério do Interior e Segurança Pública do país havia informado, anteriormente, que o número de vítimas fatais era dezesseis. “A situação é dramática, mas a ajuda está chegando”, disse a presidente Michelle Bachelet, que cancelou viagem diplomática ao Uruguai e Argentina marcada para esta semana.

Leia também:

Terremoto no Chile causa cinco mortes; tsunami é descartado

Publicidade

O fogo começou como um incêndio florestal nos arredores da cidade, a 120 quilômetros de Santiago, mas se propagou por regiões povoadas de La Cruz, El Vergel, San Roque, Las Cañas e Mariposas. A presidente do Chile, Michelle Bachelet, decretou estado de emergência e está em Valparaíso para avaliar a magnitude do incêndio. Segundo ela, muitos sobreviventes sofreram queimaduras e os mais graves estão sendo transferidos para receber o atendimento adequado. Trata-se de uma das piores catástrofes da história da cidade, de acordo com autoridades locais.

Cerca de 1.200 bombeiros trabalham no combate ao incêndio, fazendo uso de uma frota de 17 aviões e helicópteros. Segundo o diretor regional da Corporação Nacional Florestal, Pablo Olya, a expectativa é de que o incêndio seja controlado ainda neste domingo. No momento, cerca de 700 desabrigados permanecem em escolas e 5.000 casas estão sem energia elétrica.

(Com agência EFE)

Publicidade