Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Governo italiano planeja construção da maior ponte suspensa do mundo

A enorme obra prometida no país é típica do uso de projetos monumentais, com um pé no passado, para exaltar regimes autoritários

Por Matheus Deccache, Vitória Barreto Atualizado em 4 jun 2024, 11h15 - Publicado em 1 jan 2023, 06h00

Erguer monumentos vistosos, sejam eles edifícios, museus ou esculturas, é uma maneira clássica de eternizar momentos e pessoas. Alguns se tornam objeto de visitação, admiração e cenário ideal de selfies — caso do Memorial de Abraham Lincoln, em Washington. Outros despertam polêmicas, como o Vale dos Caídos, basílica erguida pelo generalíssimo Francisco Franco nos arredores de Madri e de onde seus restos mortais foram removidos há três anos para desestimular romarias de saudosistas da ditadura. Embora esse tipo de arquitetura se espraie por todos os cantos do planeta, ele é especialmente apreciado pelos governos totalitários e mais ainda por aqueles que pendem para a extrema direita — nesse caso, a obra tem sempre o intuito de exibir ecos de um passado glorioso. É nesse contexto que se encaixa o projeto do italiano Matteo Salvini, ministro da Infraestrutura do governo da ultranacionalista Giorgia Meloni, de construir uma ponte ligando a ilha da Sicília ao continente, plano mirabolante que já foi condenado em várias ocasiões.

Com 5 quilômetros de extensão, a “maior ponte pênsil do mundo” passaria sobre o Estreito de Messina, desembocando na Calábria — um percurso hoje coberto por um serviço ininterrupto de ferryboats. A construção, avaliada em mais de 2 bilhões de dólares, remete à única via de ligação entre os dois pontos registrada em textos históricos: uma rota improvisada sobre barcos e barris para a passagem de 140 elefantes capturados pelos romanos durante as Guerras Púnicas. O feito monumental inspirou o ditador fascista Benito Mussolini e outros governantes a encomendar projetos e criar comissões para viabilizar a ponte, mas tudo foi engavetado quando um estudo de 2021 concluiu que ali se situa uma das áreas de maior risco de terremotos da Europa. Agora, Salvini volta à carga. “Milhões de euros já foram gastos sem que se chegasse a lugar algum. Finalmente vamos passar das palavras aos atos”, afirma.

SINAL TROCADO - Parlamento em Budapeste (acima) e o 1º andar reformado: todos os traços do período comunista foram deletados -
SINAL TROCADO - Parlamento em Budapeste (acima) e o 1º andar reformado: todos os traços do período comunista foram deletados – (Stockbym/Alamy/Fotoarena; Marek Slusarczyk/Alamy/Fotoarena/.)

Na mesma linha, o extremista Viktor Orbán, primeiro-ministro da Hungria desde 2010, promove uma reforma completa do 1º andar do Parlamento em Budapeste com o propósito de restaurar a ambientação do passado e desfazer todo e qualquer traço típico da era comunista. “As reformas não seguem a orientação de arquitetos, e sim o gosto de Orbán e seu sonho político de apagar o período entre 1944 e 1989”, diz a arquiteta húngara Zsofia Csomay. Nos tempos modernos, tanto Adolf Hitler quanto Mussolini planejaram monumentos de glorificação do passado como forma de eternizar o próprio papel na história. “Os nazistas e fascistas tinham a Antiguidade como ponto de referência. Por isso construíram tantos templos com colunas, venerando os tempos em que as coisas eram como deveriam ser. O que é pura invenção, claro, verdades repaginadas milhares de anos depois”, diz Vincent Hiribarren, professor de história da King’s College de Londres.

O esforço de criação de uma identidade nacional está por trás dos edifícios espetaculares erguidos nas areias dos emirados e dos reinos da Península Arábica, países criados há pouco tempo onde a população de trabalhadores imigrantes é quase dez vezes maior do que a local. Tanto o Museu do Futuro — fantástica edificação em forma de anel onde as janelas formam poemas na caligrafia árabe — quanto o Louvre de Abu Dhabi e as Torres Petronas, na Malásia, são reflexo da ambição de seus governantes de se valorizar em obras modernas, mas com o olhar para o passado. “São exemplos do que chamamos de arquitetura totalitária, que não se limita aos regimes assim qualificados — é adotada por qualquer governante que impõe sua vontade na definição dos símbolos de sua gestão”, explica Marcello Cappucci, professor de arquitetura e poder na PUC-Rio.

Continua após a publicidade

arte arquitetura

Em poucos lugares o passado de glória é usado para valorizar governos tanto quanto no Egito, onde os faraós da Antiguidade seguem presentes nos discursos e nas construções monumentais. Exemplo mais recente é o Grande Museu Egípcio, que o presidente Abdul Fatah Khalil Al-Sisi, no cargo desde 2014, planeja inaugurar neste ano com uma coleção que fará dele o maior museu arqueológico do mundo, instalado na frente das pirâmides. Antes mesmo de a obra ficar pronta, Al-Sisi transformou em desfile noturno, à luz de tochas, o transporte de 22 múmias do antigo para o novo edifício. Nada como uma parada de sarcófagos para irradiar brilho sobre um regime marcado pela violência e pela desigualdade.

Publicado em VEJA de 4 de janeiro de 2023, edição nº 2822

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.