Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Estado Islâmico reivindica atentado que deixou 19 mortos nas Filipinas

O ataque aconteceu dias depois do referendo para a criação de uma região autônoma muçulmana no Sul do país

Por EFE
28 jan 2019, 00h59

O grupo terrorista Estado Islâmico (EI) reivindicou, neste domingo 27, as explosões que aconteceram na catedral da cidade de Jolo, no sudeste da Filipinas, nas quais morreram 19 pessoas e 48 ficaram feridas.

Em comunicado emitido através das redes sociais e cuja autenticidade não pôde ser comprovada, os radicais asseguraram que 40 pessoas faleceram e 180 foram feridas em dois ataques suicidas contra “um templo dos cruzados” na ilha de Mindanao.

A nota detalhou que um dos suicidas explodiu seu colete de explosivos na entrada da igreja onde estavam reunidos os fiéis cristãos e que outro fez a mesma coisa pouco depois no estacionamento de carros. Além disso, a filial do EI no leste da Ásia afirmou que entre as vítimas há sete membros das forças de segurança.

Anteriormente, as autoridades locais informaram sobre a morte de 19 pessoas e 48 feridos, a maioria civis que foram à missa da manhã, além de vários militares encarregados de tarefas de segurança.

Continua após a publicidade

O secretário de Defesa filipino, Delfin Lorenzana, disse que os feridos mais graves foram levados de helicóptero ao hospital de Zamboanga, enquanto foi reforçada a segurança em todos os locais de culto da região.

O fato acontece dias depois do referendo para a criação de uma região autônoma muçulmana no Sul do país, batizada de Bangsamoro e concebida como solução pacífica para décadas de conflito separatista provocado por radicais islamitas.

A província de Sulu – cuja cidade de Jolo é a capital – votou contra se integrar em Bangsamoro, mas como faz parte da Região Autônoma do Mindanao Muçulmano (ARMM), com outras quatro províncias, os votos são computados em bloco e passarão a pertencer a essa nova entidade.

Em Sulu é reduto de vários grupos jihadistas ligados ao Estado Islâmico, como Abu Sayyaf e o grupo Maute, responsáveis por sangrentos atentados na região.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.