Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Estado Islâmico executou 1.878 pessoas em seis meses

Segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos, as vítimas foram baleadas, decapitadas ou apedrejadas até a morte. Número de vítimas pode ser maior já que há centenas de desaparecidos

Por Da Redação 28 dez 2014, 15h34

O grupo terrorista Estado Islâmico (EI) executou 1.878 pessoas na Síria em apenas seis meses, desde que os jihadistas anunciaram, no fim de junho, a criação de seu califado, informou neste domingo a ONG Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH). As execuções teriam acontecido entre 28 de junho e 27 de dezembro.

Segundo o OSDH, as vítimas foram baleadas, decapitadas ou apedrejadas e os crimes teriam acontecido principalmente nas províncias de Deir Ezzor, no Leste da Síria, e também em Hasaka, no Nordeste, além de Raqa e Aleppo, no Norte, e Homs e Hama, no Centro. A ONG acredita que o número real de pessoas executadas é superior a 1.878, pois centenas de pessoas ainda estariam desaparecidas nas prisões do EI.

Leia também:

2014: o Ano do Horror no Oriente Médio

Franceses do EI convocam compatriotas em novo vídeo

‘Meu iPod não funciona mais. Preciso voltar’, diz jihadista francês na Síria

Das 1.878 vítimas, 1.175 eram civis, incluindo quatro crianças e oito mulheres. Entre elas, há 930 membros da tribo sunita dos Chaitat, que se rebelou contra o EI durante o verão na Síria. Os jihadistas também executaram 502 soldados e milicianos pró-regime em combates ou após tê-los sequestrado.

Continua após a publicidade

Além disso, o EI assassinou 120 pessoas entre seus próprios membros por tentarem retornar aos seus países de origem. Ao menos 80 rebeldes sírios e membros do grupo rival da Frente al-Nosra, braço sírio da Al-Qaeda, também estariam entre as vítimas.

Segundo analistas, as execuções pelos jihadistas do EI, que com frequência são filmadas e divulgadas na internet, têm por objetivo aterrorizar civis e grupos que tentam se rebelar contra eles, além de servir para atrair novos combatentes para suas fileiras.

(Com AFP)

Continua após a publicidade
Publicidade