Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Em apenas um dia, 20.000 civis fogem de Ghuta Oriental

Regime de Bashar Assad retoma grande parte do território dos rebeldes

Ao menos 20.000 civis fugiram apenas nesta quinta-feira do enclave rebelde de Ghuta Oriental, próximo a Damasco, onde o regime da Síria tomou mais de 70% do território, inclusive a cidade de Hamuriya, no sul.

Mais de 350.000 pessoas morreram desde o início do conflito na Síria em 2011 — após sete anos de guerra o país está em ruínas. O presidente sírio, Bashar Assad, debilitado durante muito tempo, conseguiu, graças ao apoio da Rússia, reverter a situação e retomar o controle de mais da metade do país.

Perto de Damasco, as forças governamentais sírias e da Rússia se concentram na ampla operação iniciada em meados de fevereiro contra Ghuta Oriental, onde se localiza o último reduto de oposição a Assad próximo da capital.

Após mais de três semanas de ofensiva, o regime retomou o controle de 70% da área rebelde, ao custo de muitas vítimas civis. Os bombardeios diários sobre o enclave deixaram 1.250 civis mortos, dos quais mais de 250 menores, e 4.800 feridos, segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH).

O enclave está sitiado desde 2013 e a ofensiva do regime conseguiu dividi-lo em três setores. Nesta quinta-feira, mais de 20.000 civis fugiram de Hamuryia e outras localidades ao sul, segundo o OSDH.

Tomada de Hamuriya

À tarde, o OSDH informou que as forças sírias, que entraram em Hamuriya na noite de quarta-feira, conseguiram tomar o controle de toda a cidade “depois que se retiraram os combatentes” rebeldes.

Enquanto isso, a Rússia informou que continuaria apoiando as forças governamentais em sua ofensiva. “Seguiremos combatendo os terroristas, os venceremos”, disse o ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Lavrov, em Moscou.

Na noite de quarta-feira, Hamuriya sofreu bombardeios. Um médico da região informou que os socorristas não podiam auxiliar as vítimas pela intensidade dos ataques.

“Os feridos estão nas estradas. Não podemos movê-los. Os aviões apontam contra tudo o que se move”, disse o médico Ismail al-Jatib. “Não sabemos o que aconteceu com as famílias que fugiram durante os bombardeios”.

Ajuda humanitária

No setor norte do enclave, onde fica a cidade de Duma, controlada pelo grupo Jaish al-Islam, a “situação se estabilizou consideravelmente”, afirmaram nesta quarta-feira as forças russas.

Um comboio com ajuda humanitária para a população de Duma entrou no enclave nesta quinta-feira, informou um porta-voz na Síria do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV).

Trata-se de um comboio conjunto do CICV, do Crescente Vermelho e da ONU, integrado por 25 caminhões com 5.200 pacotes de alimentos e 5.220 sacos de farinha para 26.100 pessoas, segundo esta fonte.

(Com AFP)