Clique e assine a partir de 8,90/mês

EI divulga vídeo que mostra peshmergas em jaulas

Por Da Redação - 22 fev 2015, 11h19

O grupo Estado Islâmico (EI) divulgou neste domingo um vídeo no qual expõe em jaulas 21 homens. Os reféns usam macacões de cor laranja e estão de cabeça abaixada. Eles são levados para jaulas situadas em uma praça cercada de muros de cimento, diante de combatentes do EI, encapuzados e armados com pistolas. Instados pelos terroristas, os prisioneiros se identificam: 16 são soldados curdos, ou peshmergas, dois são oficiais do exército iraquiano e três policiais de Kirkuk, cidade que fica 240 km ao norte de Bagdá.

As imagens não mencionam local ou data, mas fontes curdas afirmaram à AFP que as cenas foram feitas há uma semana no principal mercado do distrito de Hawija, sob controle do EI, que fica a 50 km de Kirkuk.

Um homem de barba e turbante branco envia uma mensagem às forças curdas que, segundo ele, devem interromper os combates contra o EI.

“Em caso contrário, seu destino será como os destes, dentro das jaulas ou debaixo da terra”, adverte.

Leia também:

EI divulga vídeo de decapitação de cristãos egípcios

EI vende, crucifica e enterra crianças vivas no Iraque

Depois, os reféns, em jaulas, são transportados em veículos por uma rua, em meio a dezenas de habitantes e homens armados.

Continua após a publicidade

O vídeo não contém ameaças explícitas contra os reféns, mas estes são mostrados, ao fim, de joelhos. Atrás deles, um homem encapuzado exibe uma arma.

As imagens estão misturadas com as da execução do piloto jordaniano Maaz al-Kasasbeh e as de 21 reféns coptas na Líbia, em 15 de fevereiro.

Um comandante dos peshmergas em Kirkuk, o general Hiyowa Rach, afirmou à AFP que os peshmergas reféns foram capturados em 31 de janeiro, “quando os combatentes curdos evitaram um ataque terrorista do EI contra Kirkuk”.

O EI controla desde junho de 2014 amplos territórios no norte e oeste do Iraque e executou uma ofensiva no fim de janeiro contra esta cidade petroleira, onde os peshmergas estão desde a retirada das tropas iraquianas um mês antes.

Continua após a publicidade
Publicidade