Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Depois de Obama e Stones, Cuba recebe Chanel e Gisele

Marca de luxo fará um desfile em Havana nesta terça com a presença de celebridades como o estilista Karl Lagerfeld e a modelo brasileira

Depois da visita de Barack Obama, do show dos Rolling Stones e do primeiro cruzeiro dos Estados Unidos para Cuba em mais de meio século, Havana recebe a marca de luxo francesa Chanel – e, de quebra, a top Gisele Bündchen. A grife promove um desfile nesta terça-feira no país, com presença de celebridades como a modelo brasileira e o estilista Karl Lagerfeld. Gisele, que já está na cidade, publicou em seu Instagram duas fotos da capital cubana. Ela deve se sentar na primeira fila ao lado do marido, o jogador de futebol americano Tom Brady.

Leia também:

Cruzeiro entre EUA e Cuba, o primeiro em 50 anos, chega a Havana

Rolling Stones conquistam Cuba, a última fronteira do rock nas Américas

O desfile será no Paseo del Prado, uma galeria a céu aberto que fica a 300 metros do mar, e vai apresentar a mais recente coleção de Lagerfeld, na direção criativa da Chanel desde 1983. Segundo ele, as peças foram inspiradas nas “riquezas culturais e na abertura de Cuba”. O evento deve ainda contar com a participação do neto de Fidel Castro, o modelo estreante Tony Castro.

O presidente da Chanel Fashion, Bruno Pavlovsky, disse que autoridades cubanas foram “receptivas e prestativas” em relação ao desfile. Há, no entanto, uma parcela da população que critica o evento, principalmente pela discrepância entre o alto preço das peças da marca e o baixo poder aquisitivo da população.

Exposição – No domingo, foi inaugurada a exposição Work in Progress, com mais de 300 imagens feitas por Lagerfeld. O evento, na galeria de arte Factoría Habana, no centro antigo e tombado da capital, contou com a presença do estilista e, naturalmente, elevou as expectativas em torno do desfile. “A riqueza cultural e a abertura de Cuba ao mundo a tornaram uma fonte de inspiração para Karl Lagerfeld”, afirmou a grife em um comunicado.

(Com Reuters e AFP)