Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Cúpula do Mercosul permitirá analisar situação do Paraguai, diz Patriota

Por Da Redação
23 jun 2012, 15h32

Rio de Janeiro, 23 jun (EFE).- A Cúpula do Mercosul da próxima semana em Mendoza (Argentina) permitirá que os Governos da região discutam o novo Governo do Paraguai após a cassação do presidente Fernando Lugo, afirmou o chanceler brasileiro, Antonio Patriota.

A reunião dos presidentes do Mercosul, que começará na próxima quinta-feira e reunirá outros governantes da América do Sul, permitirá analisar a situação do Paraguai, disse Patriota em declarações ao portal de notícias G1.

No evento, serão discutidas medidas a serem adotadas caso seja considerado que houve uma ruptura constitucional no país. ‘Há várias formas de se manifestar, desde não convidar autoridades que tomaram poder no Paraguai a participar de cúpulas, até o esfriamento das relações em diferentes níveis’, afirmou o ministro ao portal na sua chegada o Rio de Janeiro desde Assunção.

O chanceler retornou ao país após integrar a missão enviada pela União de Nações Sul-Americanas (Unasul) em Assunção. ‘Os Governos que compõem a Unasul examinarão em que medida pode prosseguir a cooperação do Paraguai em nosso esforço de integração nacional’, disse ao portal.

Para Patriota, a posição brasileira será a mesma adotada pela Unasul e confirmou que os países da região estão realizando consultas antes de se pronunciarem. Segundo a declaração citada pelo portal, o organismo regional pode até declarar a cassação de Lugo como uma ameaça à ordem democrática.

Continua após a publicidade

O chanceler ainda disse que o Governo brasileiro reconhece Estados e não Governos e, portanto, a embaixada brasileira em Assunção seguirá funcionando normalmente.

O presidente do Paraguai foi cassado de seu cargo na última sexta, depois do Senado do país declará-lo culpado por mau desempenho de suas funções. Com isso, Lugo foi substituído pelo vice-presidente, Federico Franco

No entanto, os Governos da Argentina, Equador, Bolívia e Venezuela anunciaram que não reconhecerão Franco por considerar que ele chegou à Presidência mediante um ‘golpe de Estado’.

Em entrevista coletiva concedida na sexta-feira antes de ser informada a cassação do líder, a presidente brasileira, Dilma Rousseff, explicou que a ‘cláusula democrática’ da Unasul prevê a suspensão de um país em caso de ruptura constitucional, mas não comentou se seria aplicado diante de uma cassação de Lugo, como acabou acontecendo. EFE

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.