Clique e assine a partir de 8,90/mês

Coreia do Sul fará mais exercícios militares com EUA em abril

Seul quer demonstrar capacidade militar ante provocações de norte-coreanos

Por Da Redação - 31 mar 2013, 10h43

A Coreia do Sul anunciou neste domingo que realizará exercícios militares com a Marinha dos Estados Unidos em seu território em abril. O objetivo é demonstrar sua capacidade bélica diante das crescentes provocações do regime norte-coreano. O anúncio de Seul foi feito depois de a Coreia do Norte declarar “estado de guerra” com a vizinha do sul, na esteira de uma escalada de ameaças por parte do país comunista.

Saiba mais:

Saiba mais: Bombardeiros americanos realizam manobras na Coreia do Sul

O Exército da Coreia do Sul explicou que os exercícios militares de abril consistirão em manobras e operações conjuntas para testar suas unidades. Além disso, os marines americanos estacionados no país asiático serão convidados a participar de “discussões técnicas para a preparação de possíveis provocações da Coreia do Norte”.

Ao longo de abril, os militares baseados nas ilhas fronteiriças do Mar Amarelo também farão exercícios aéreos e navais. Neste momento, a Coreia do Sul e os Estados Unidos realizam as manobras conjuntas anuais Key Resolve, que envolvem cerca de 10.000 soldados sul-coreanos e 3.500 americanos, além de um porta-aviões e caças de combate.

Leia também:

Leia também: Coreia do Norte posiciona mísseis contra bases dos EUA

O ditador norte-coreano, Kim Jong-un, por sua vez, defendeu neste domingo a ampliação “quantitativa e qualitativa” de seu arsenal nuclear para fazer frente às “ameaças dos Estados Unidos”, segundo informou a agência estatal KCNA. Kim voltou a insistir que seu país lançará mais mísseis durante a abertura, neste domingo, da sessão plenária do Partido dos Trabalhadores da Coreia do Norte, que se reúne pela primeira vez desde setembro de 2010.

Em seu discurso, o ditador norte-coreano prometeu promover a economia e o desenvolvimento de seu potencial nuclear de “maneira simultânea”. No sábado, ele havia declarado que seu país entrara em “estado de guerra” com a Coreia do Sul. Apesar disso, segundo o governo de Seul, não houve nenhum movimento incomum das tropas da Coreia do Norte depois do anúncio.

Continua após a publicidade

Saiba mais:

Saiba mais: Sob olhar da TV estatal, norte-coreanos prometem guerra aos EUA

O declarado “estado de guerra” também não motivou, até agora, o fechamento do complexo industrial conjunto das Coreias, situado em Kaesong, território norte-coreano. “Por enquanto, não ocorreram problemas de funcionamento no complexo de Kaesong”, afirmou um porta-voz do ministério sul-coreano da Unificação.

A Coreia do Norte havia ameaçado no sábado fechar as instalações. “Fecharemos o complexo industrial se a Coreia do Sul insistir em danificar nossa dignidade”, afirmou o governo em um comunicado divulgado pela agência oficial KCNA.

Leia também:

Leia também: Cronologia do programa nuclear da Coreia do Norte

O complexo industrial binacional de Kaesong foi criado em 2004 como um símbolo da cooperação entre os dois países. Desde então, constitui uma importante fonte de renda para a Coreia do Norte. No entanto, a Coreia do Sul já expressou sua preocupação sobre o funcionamento do complexo.

A Coreia do Norte anunciou a intenção de cortar uma linha telefônica de uso militar utilizada para controlar o trânsito de pessoas na região. Essa linha era utilizada para que as autoridades do Sul pudessem comunicar ao Norte nomes dos trabalhadores que cruzam a fronteira para operar o complexo industrial.

(Com agências EFE e France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade