Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Choques violentos no Cairo matam um militar e um civil

Por Da Redação 3 fev 2012, 11h36

Cairo, 3 fev (EFE).- Um manifestante morreu nesta sexta-feira pelos ferimentos sofridos na noite anterior nos enfrentamentos com a polícia em frente ao Ministério do Interior, enquanto um militar perdeu a vida após ser atropelado por um veículo policial, informaram à Agência Efe fontes da segurança e do Ministério da Saúde.

Os choques entre manifestantes e as forças de segurança se intensificaram nos últimos minutos em torno da sede ministerial, muito próxima à Praça Tahrir, segundo constatou a Efe, e está ocorrendo o lançamento de pedras e gás lacrimogêneo.

O militar morto, que foi atropelado por um veículo policial, sofreu fraturas nas costelas e hemorragias em várias partes do corpo, segundo afirmou à Efe o subsecretário do Ministério da Saúde, Hisham Shiha.

O oficial, um tenente de 24 anos, ingressou no hospital de Shubra, mas os médicos não puderam salvar sua vida. Shiha explicou que desde a oração do meio-dia, a mais importante da semana para os muçulmanos, mais de 100 pessoas ingressaram em hospitais e centros médicos pelos ferimentos sofridos nos distúrbios.

Segundo a agência oficial ‘Mena’, até o momento há 138 policiais feridos desde a explosão dos enfrentamentos na noite de quinta-feira, próximos ao Ministério do Interior, entre os quais há 16 lesionados por disparos de balas de borracha.

As duas novas vítimas desta sexta-feira se unem aos dois mortos da madrugada por disparos de bala na cidade de Suez, ao leste da capital, onde ainda continuam os enfrentamentos.

Os manifestantes lançam pedras às forças de segurança próximo à sede central da Polícia e do edifício do Governo local, enquanto os policiais respondem com gás lacrimogêneo, segundo fontes da segurança.

A tragédia de quarta-feira no estádio de Port Said, onde morreram mais de 70 pessoas nos enfrentamentos entre torcedores dos clubes Al Ahly e Al Masry, levantou uma onda de violência que já se estendeu a várias cidades do país. EFE

Continua após a publicidade
Publicidade