Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Carne de cachorro: tradição e polêmica na Coreia do Sul

Por Da Redação 12 Maio 2012, 06h02

Seul, 12 mai (EFE).- De sabor intenso e aroma penetrante, a carne de cachorro é uma iguaria para muitos sul-coreanos que, especialmente no verão, desfrutam pratos elaborados com este animal apesar da rejeição de uma crescente minoria.

O consumo de carne de cachorro ou ‘Kaegogi’ na Coreia do Sul é uma tradição de milhares de anos e se pratica de forma ocasional por ser um prato relativamente caro (de R$ 25 a R$ 40 por pessoa) e só disponível em restaurantes especializados.

‘É delicioso e não se pode comparar com o porco ou o boi’, afirmou à Agência Efe Park Bit-garam, estudante de engenharia de 23 anos, enquanto saboreia uma sopa de cachorro em um humilde restaurante do mercado de Moran, ao sul de Seul, famoso pela criação de cães para consumo humano.

As lojas do mercado de Moran exibem jaulas com cachorros sem raça específica ou ‘Ddongke’, cujo destino é ser sacrificados, depilados e fervidos para se transformar em carne por peças a pedido do cliente – particular ou restaurante.

Sem mal desviar o olhar do prato, Park relatou, entre distantes latidos como som de fundo, que foi seu pai que, quando ele era pequeno, o levou pela primeira vez para comer ‘Boshintang’, a mais popular ‘sopa estimulante’ de carne de cachorro com diversos vegetais, sal e temperos.

Pai e filho desfrutam duas ou três vezes ao ano esta experiência gastronômica na qual estreitam sua cumplicidade longe das mulheres da casa, mãe e irmã, que fazem parte da imensa maioria da população feminina do país que considera repugnante comer cachorro.

Este não é o caso da cozinheira do restaurante, Park Myeong-hwa, de 62 anos, que assegura que ‘comer carne de cachorro é bom para todo o corpo, especialmente para a pele’ e lembra que muitos médicos coreanos a recomendam para seus pacientes quando estão fracos.

Na Coreia, o cachorro é considerado tradicionalmente uma grande fonte de energia e também de virilidade masculina, algo que MoonHyun-Kyeong, presidente da Associação Coreana de Nutrição, atribui à sua alta contribuição de proteínas em uma dieta caracterizada, especialmente no passado, pela escassez de carne.

Continua após a publicidade

A carne de cachorro, que apresenta valores de proteína similares à de boi, porco e frango, segundo a doutora Moon, também ‘contém uma elevada quantidade de ácidos graxos insaturados’ que ajudam a prevenir o colesterol e doenças coronárias.

Apesar de ninguém questionar os valores nutricionais do ‘Kaegogi’, o debate ético ganhou força à medida que a Coreia do Sul se transformou em um país desenvolvido, no qual milhões de pessoas convivem com cachorros como animais de estimação.

‘Os cachorros fazem parte da vida das pessoas, são inteligentes, percebem o que acontece a seu ao redor e expressam seus sentimentos’, comentou à Efe Seo Bora-mi, porta-voz da KARA, uma organização sul-coreana que realiza intensas campanhas contra o consumo de carne de cachorro no país.

Seo denuncia uma obscura realidade na qual os cachorros ‘vivem aglomerados em jaulas pequenas sem condições mínimas de higiene’ e, para sacrificá-los, em alguns casos são usadas técnicas cruéis como golpes na cabeça ou estrangulamentos.

Além disso, assegura que cachorros de todas as raças, ‘de poodles a maltêses’, são comercializados como carne em diversos pontos do país.

Enquanto a KARA e outros grupos defendem a proibição total da venda e consumo de ‘Kaegogi’, o pensamento generalizado na Coreia do Sul é que o cachorro não merece um tratamento diferente ao de outros animais e que aqueles que querem acabar com a tradição de consumi-lo se baseiam em critérios subjetivos.

Por sua parte, as leis locais não ajudam a frear nem a regularizar estas atividades, que acontecem à vista de todos, mas à beira da clandestinidade.

Embora a legislação proíba tecnicamente a venda e o consumo de carne de cachorro ao não considerá-la como gado, não estabelece penalizações a respeito, o que obriga criadores a trabalhar em um vazio legal onde são escassas as inspeções e os controles de saúde. EFE

aaf/cs-rsd

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)