Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Candidatos à presidência afegã concordam com auditoria

John Kerry, secretário de Estado dos Estados Unidos, afirmou que a auditoria vai cobrir "cada voto que foram colocados nas urnas"

Por Da Redação - 12 jul 2014, 18h18

O secretário de Estado americano John Kerry disse que os candidatos rivais à presidência do Afeganistão concordaram com uma ampla auditoria do resultado do segundo turno eleitoral, realizado em 14 de junho, encerrando um impasse sobre o resultado da eleição. “A auditoria será realizada em Cabul e irá começar em 24 horas”, disse Kerry após dois dias de negociações diplomáticas com o objetivo de conter a disputa que ameaça fragmentar o país.

Kerry afirmou que a auditoria vai cobrir “cada voto que foram colocados nas urnas” eleitoral e que vai acontecer sob supervisão internacional. As urnas eleitorais, acrescentou Kerry, serão transportadas das províncias para Cabul pelas tropas da Otan presentes no país, lideradas pelos Estados Unidos. A Organização das Nações Unidas (ONU) pediu ao governo afegão que adie a posse, planejada para 2 de agosto, por causa da auditoria, que deve levar semanas para ser concluída.

Leia também

Abdullah se declara vencedor das eleições afegãs

Publicidade

Ghani lidera disputa presidencial marcada por denúncias de fraude

Militar americano que foi refém do Talibã volta aos EUA

Os afegãos foram às urnas no mês passado para escolher entre dois candidatos à sucessão do presidente Hamid Karzai: o ex-ministro de Finanças, Ashraf Ghani, e o ex-ministro de Relações Exteriores, Abdullah Abdullah. Mas em vez de abrir caminho para uma transição política, a eleição levou a uma grave crise. Na segunda-feira, a Comissão Eleitoral Independente do país divulgou resultados preliminares indicando que Ghani teria sido o vencedor, com 56,4% dos votos ante 43,6% de Abdullah.

Abdullah protestou, afirmando que uma fraude de escala industrial havia sido realizada em benefício de seu oponente. O ex-ministro de Relações Exteriores declarou-se vencedor e ameaçou estabelecer um governo paralelo.

Publicidade

Kerry chegou a Cabul na manhã de sexta-feira e deu início a uma maratona de negociações, reunindo-se com os candidatos rivais e muitos dos principais políticos do país. Após dois dias de negociações, os dois candidatos disseram que obedecerão aos resultados eleitorais após a auditoria e concordarão com a formação de um governo de unidade.

As eleições presidenciais afegãs escolhem o substituto de Karzai, que ficou treze anos no comando do país. A Constituição afegã proíbe um terceiro mandato. O processo eleitoral se desenvolve em um dos momentos mais sangrentos desde a invasão dos Estados Unidos, que propiciou a queda do regime talibã em 2001. A força da Otan concluirá sua missão no Afeganistão no final deste ano, mas os EUA anunciaram a permanência de 9.800 soldados no país até final de 2016, quando será iniciado o processo de retirada definitiva das tropas.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade