Clique e assine a partir de 8,90/mês

Caças turcos atacam bases curdas no norte do Iraque

Por Saygin Serdaroglu - 20 jun 2012, 13h29

Caças da Força Aérea da Turquia atacaram nesta quarta-feira as bases de rebeldes curdos no nrote do Iraque, em represália a um violento ataque realizado por esses grupos no sudeste turco, informaram as forças armadas.

Os aviões voltaram sãos e salvos para suas bases em território turco, informa a fonte.

Na véspera, intensos combates travados entre soldados turcos e rebeldes curdos deixaram 28 mortos, sendo oito militares e 20 insurgentes, no extremo sudeste da Turquia.

Oito militares foram mortos em 19 ficaram feridos no ataque a um posto do Exército em Yesiltas, província de Hakkari. Nesse ataque, 20 rebeldes do Partido de Trabalhadores do Curdistão (PKK) foram mortos.

Um grupo de rebeldes, provavelmente infiltrado na Turquia a partir de suas bases no norte do Iraque, atacaram o posto avançado, de acordo com as cadeias de tv.

Continua após a publicidade

Esta região montanhosa da Turquia, na fronteira entre o Iraque e o Irã, é palco de frequentes confrontos entre o Exército e o PKK, que intensificou seus ataques em território turco com a chegada do verão.

“Vamos continuar esta luta até o fim. Cedo ou tarde teremos sucesso”, declarou o primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, citado pela agência Anatolia,.

“Ninguém pode fazer do terrorismo uma questão de negociação”, acrescentou o premiê, que está no México, participando da cúpula do G20.

O PKK, que iniciou um combate armado em 1984 para defender os direitos dos curdos da Turquia, é considerado uma organização terrorista por vários países. Em mais de 30 anos, o conflito já deixou 45.000 mortos.

Deixando para trás uma política de abertura pró-curda em 2009, o regime islâmico e conservador de Erdogan optou pelo isolamento, multiplicando as operações contra o PKK e as prisões de seus integrantes.

Os curdos representam quase 9% dos 23 milhões de habitantes da Síria e há muitos anos se consideram discriminados pelo regime de Assad.

Continua após a publicidade
Publicidade