Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Aviões dos EUA voltam a bombardear o Estado Islâmico na Líbia

Foi o segundo ataque aéreo americano na Líbia desde o início das operações militares da coalização internacional contra o EI, em setembro de 2014

Aviões americanos bombardearam nesta sexta-feira um acampamento da organização terrorista Estado Islâmico (EI) na Líbia para desmantelar um grupo de radicais tunisianos que estavam relacionados com os dois atentados realizados no ano passado em Túnis, informou o jornal The New York Times. Foi o segundo ataque aéreo americano na Líbia desde o início das operações militares da coalização internacional contra o EI, em setembro de 2014, liderada pelos próprios EUA.

O ataque teve como alvo um prédio perto de Sabratah, a oeste de Trípoli, onde morreram mais de 30 membros do EI, segundo o jornal que cita fontes oficiais. “O ataque foi muito preciso, atingiu apenas um prédio e todo o entorno não foi danificado”, afirmou um funcionário que não quis se identificar. Porém, fontes de segurança da cidade de Sabratah informaram às agências internacionais que o ataque aéreo matou pelo menos 40 pessoas, algumas delas mulheres e crianças.

Leia também

Iraque teme que Estado Islâmico tenha roubado material radioativo

Coalizão internacional contra o EI decide acelerar campanha militar

Obama está disposto a atacar Estado Islâmico na Líbia

A maior parte dos mortos era de composta por extremistas do EI procedentes da Tunísia. Os serviços de inteligência americanos tentam determinar se na operação morreu Nouredine Chouchane, um dos principais dirigentes do EI na região e vinculado diretamente com os dois atentados que os jihadistas realizaram na Tunísia no ano passado.

O Estado Islâmico emergiu na Líbia em 2015, aproveitando-se do vácuo de segurança gerado por rivalidades políticas que dividiram a nação em guerra entre dois governos rivais. O grupo extremista sunita tem reforçado seu controle sobre a cidade de Sirte, a terra natal do falecido ditador líbio Muamar Kadafi. O Estado Islâmico está sob pressão da coalizão aérea liderada pelos EUA no Iraque e na Síria. Autoridades ocidentais e líbias dizem que o grupo extremista agora mobiliza agentes, recrutas estrangeiros e recursos para Sirte.

Em novembro, os EUA afirmaram que realizaram um ataque aéreo perto da cidade de Derna, no leste líbio, que matou uma graduada liderança do EI do Iraque, Abu Nabil Al Anbari, no primeiro episódio de ataque norte-americano contra o grupo fora de Iraque e Síria.

(Da redação)